Novidade!

Receba vagas no seu perfil por e-mail

Vida de Trainee: Planejando as Viagens

27.06.2012 | em Dicas

planejando viagensJá falei aqui no Vida de Trainee sobre a importância de se planejar o investimento para participar de programas de trainee. Portanto, se você quer ser trainee 2012 ou trainee 2013, não pode deixar de conferir.

Hoje eu vou dar algumas dicas de como planejar as viagens em si. Elas são aplicáveis especialmente para quem for viajar para São Paulo.

 

Planejando as Viagens

Passagens

Bem, vamos começar logo com o que pesa mais no bolso: as passagens aéreas.

Antes, esclareço que não sei nada sobre como planejar viagens de ônibus, uma vez que a distância entre Recife e São Paulo é superior a 2.500 Km, de modo que essa opção estava fora de cogitação para mim.

A única dica que eu posso dar é que, se o seu objetivo for economizar, só viaje de avião se essa for a única alternativa (ou se estiver mais em conta, claro).

A vida dos candidatos seria bem mais fácil se as empresas sempre marcassem as etapas presenciais com bastante antecedência, mas não é isso o que acontece na prática.

Geralmente, a fase de dinâmicas de grupo é a que permite maior flexibilidade: é bem comum a possibilidade de escolha entre 3 opções de dias/horários. Já o painel de negócios e as entrevistas individuais acontecem na reta final do processo e dependem da agenda do gestor que estará presente. Assim, o que já é naturalmente caro fica “pela hora da morte” por ser agendado em cima da hora e em época de fim de ano.

A boa notícia, como eu já comentei no outro post, é que há um número crescente de organizações que arcam com as despesas de transporte dos candidatos nas fases finais (só que algumas delas restringem a ajuda de custo a quem está a uma distância mínima entre as cidades).

Ainda assim, algumas viagens terão de ficar por sua conta. A minha recomendação é que procure agendar etapas de diversas empresas em sequência, de modo a otimizar as suas viagens. Caso isso não seja possível, uma outra possibilidade é tentar agendar os deslocamentos no estilo ponte-aérea, com ida e volta no mesmo dia, para não ter que pagar hospedagem.

Esse método é bem cansativo e, pela minha experiência, afeta um pouco o seu desempenho, mas às vezes não há outro jeito. Certa vez, eu peguei um voo saindo de Recife às 8 horas, cheguei em SP perto do meio-dia, fui direto para o Assessment (que era às 14h) e corri para alcançar o voo de volta às 21h (em Guarulhos). Nem precisa dizer que fiquei um caco, né?

E aqui eu dou mais conselho para quem for viajar de avião. Pesquise opções de todas as companhias aéreas e para todos os aeroportos da região. Para São Paulo, por exemplo, há Congonhas, Guarulhos e Campinas.

Além disso, utilize todos os mecanismos de busca possíveis para comparar preços, desde os próprios sites da TAM, Gol, Azul e afins até o Submarino Viagens e outros serviços de compra de bilhetes aéreos (só tome cuidado com as taxas que eles cobram por fora).

Recomendo ainda o cadastro em todos esses sites (lembra a história das milhas do post anterior?) e o acompanhamento de todas as promoções pelo meio que for mais conveniente (Twitter, Facebook, Newsletter etc).

Um outro dado importante é ser sempre bastante cauteloso com as promoções, pois muitas vezes há algo escondido nas “entrelinhas”. As taxas de embarque nunca estão inclusas e em algumas vezes as mudanças de horário e cancelamentos são restritos (lembrando que qualquer alteração sempre implica custos adicionais).

 

Traslados

As principais Companhias Aéreas (TAM, Gol, Azul) oferecem serviço de traslado gratuito entre aeroportos e outras localidades chave (em São Paulo e em outras cidades).

Assim, quem desembarca em Guarulhos, por exemplo, pode utilizar o transporte para ir até Congonhas, ou quem aterriza em Viracopos (Campinas) ganha uma carona para o Shopping Eldorado (São Paulo, Capital).

Trata-se de uma boa economia. Esse serviço costuma ser oferecido de hora em hora (importante checar os horários no site da empresa) e você deve se dirigir para a fila com bastante antecedência, para não correr o risco de ter de esperar o próximo ônibus.

Se o seu horário estiver apertado, existem ônibus pagos que saem de meia em meia hora, com o valor aproximado de 30 reais no caso de Guarulhos-Congonhas (mas ainda assim é melhor que o táxi, que não sai por menos de 100 reais).

Se você for corajoso o suficiente, pode verificar o itinerário do transporte público na Internet (SPTrans no caso de São Paulo) para fazer esse e outros traslados que forem necessários. Provavelmente será preciso pegar trem, baldeação, metrô, ônibus etc, mas essa é uma forma de chegar ao destino a um baixo custo (e até mesmo em um tempo menor).

Para quem realmente faz questão de andar de táxi, recomendo que acerte um valor fechado para o bairro de destino nos guichês que se encontram dentro do aeroporto. Também é interessante observar o tipo do táxi e perguntar se é “comum” ou não, pois alguns deles, como o “táxi vermelho”, possuem um valor inicial mais alto que os demais.

Uma outra dica é utilizar os serviços de teletaxi quando precisar deles fora dos pontos padrões (aeroportos, hotéis, shoppings), pois é mais confiável e seguro do que pegar um táxi no meio da rua.

Finalmente, estude os principais trajetos que precisará realizar (aeroporto-hotel-empresa) no Google Maps e imprima ou anote informações como avenidas principais e pontos de referência. Assim será mais fácil orientar o taxista ou mesmo pedir orientação a outras pessoas caso esteja se deslocando por conta própria.

 

Hospedagem

Se você tem algum amigo ou parente na cidade destino, é interessante aproveitar para economizar com a hospedagem, ainda que a localização seja um pouco distante. No meu caso, como eu não conhecia absolutamente ninguém em São Paulo, não tive escolha: precisei me hospedar em hotéis várias vezes.

A opção mais barata são os albergues, espécies de pousadas onde normalmente se divide o quarto (feminino, masculino ou misto) com outras pessoas. Particularmente, eu acho massa (legal, bacana, supimpa) quando se trata de uma viagem a lazer, que você faz com amigos e tal, mas não acredito que combine com o ambiente tenso de seleção de trainee.

Desse modo, a rede de hotéis Formule 1 é sem sombra de dúvidas a alternativa mais viável. O Formule 1 é bem conhecido Brasil afora, mas ainda não está presente em todas as regiões, então tem muita gente que não conhece. A rede oferece quartos triplos por algo em torno de 130 reais, o que fica bem em conta se você conseguir dividir com algum colega.

A ideia, logicamente, é ficar hospedado o mais próximo possível do local da fase presencial. Ou ainda, como já mencionado, fazer o esquema ponte-aérea para não precisar se hospedar.

No mais, como sempre é bom ter bastante cuidado, pois em regra é necessário pagar as reservas canceladas com menos de 24 horas de antecedência e também é preciso estar atento ao horário de check-in e check-out, que varia de hotel para hotel. Em geral, os candidatos-viajantes terminam indo direto do aeroporto para a dinâmica ou vice-e-versa (sempre tem alguém com mala) e só à noite é que se acomodam direitinho.

 

Bem, essas foram as dicas de hoje. Ainda vou revisar o texto um pouco mais e também devo publicar mais um post com recomendações finais e dicas para os marinheiros de primeira viagem.

Não deixem de comentar e trazer mais sugestões, tá?

 

 

Compartilhe!

Cíntia Reinaux

Cíntia Reinaux tem 32 anos e um orgulho danado de ser pernambucana. Há 7 anos dedica uma parte de seu tempo para preparar jovens para o mercado, por meio do Vida de Traine e de seu trabalho como coach e mentora de carreira.

Twitter - Facebook - Google Plus - Linked In - RSS
Mais recentes » « Mais antigos

Deixe seu feedback!