Novidade!

Receba vagas no seu perfil por e-mail

Mitos e Verdades: Limite de idade

19.09.2010 | em Carreira

Imagem: Getty Images

Uma das situações mais decepcionantes de um processo seletivo para trainee é ser reprovado ainda na fase de triagem. Logo começam a surgir inúmeras teorias: “É porque eu não tenho experiência internacional”, ou “Porque não estudei em uma faculdade pública”, ou ainda “Porque tenho mais de 25 anos”.

Em um outro post, já falei sobre o mito da necessidade de experiência internacional. Hoje gostaria de falar sobre a existência ou não do limite de idade.

 

Mito ou Verdade?

Antes de mais nada, quero deixar claro que o que vou dizer aqui não representa a forma de se trabalhar de nenhuma empresa ou consultoria em particular, OK?

Dito isso, não sejamos ingênuos. Logicamente existe sim um limite de idade, ao menos na maioria dos casos.

Antes de ficar revoltado e começar a esbravejar que essa prática é proibida por lei, procure ser sensato: Se a proposta de um Programa de Trainee é trazer jovens talentos para uma empresa e formá-los para que se tornem futuros líderes, qual é o sentido de contratar uma pessoa de 40 anos, por exemplo?

As empresas então adotam um limite que varia entre 26 e 30 anos. Já vi inclusive algumas que  registraram esse requisito nos cartazes de divulgação dos programas (que tipo de retaliação elas sofreram por isso eu já não sei dizer). Também no ano passado houve uma empresa que fez exatamente o contrário: esclareceu no site que não fazia distinção de curso ou idade.

Na prática, o próprio governo estipula limite de idade em algumas situações, como ocorre com os programas de inclusão social em que as empresas contratam jovens aprendizes. A idade nesses casos é delimitada entre 14 e 24 anos. Afinal, trata-se de dar a chance ao jovem de ter o seu primeiro emprego.

De modo semelhante, tanto o cargo de trainee como o de estágio são o que chamamos de entry levels das empresas, isto é, portas de entrada. Seria até desleal concorrer com uma pessoa mais velha, que em geral é bem mais experiente e possui especializações ou mais de uma formação superior.

Por outro lado, uma vez dentro das empresas, você irá descobrir que muitas delas determinam uma idade mínima para posições sênior (de diretoria, presidência etc). Sempre inconformados, novamente nos queixaremos: “Como é que pode não sermos considerados prontos para assumir uma posição por conta da idade?”. Concorde ou não, isso não apenas é prática comum nas organizações como também aparece na própria lei de nosso país. Ou você não sabe que para se candidatar à presidência do Brasil é necessário ter no mínimo 35 anos?

Portanto, é fato que, ao longo de nossa carreira profissional, enfrentaremos situações que consideramos injustas, como a existência de limites de idade (para mais ou para menos). O que não podemos é desanimar por conta disso. Devemos continuar lutando pelos nossos objetivos, tendo sempre em mente que sim, o trainee é uma das melhores portas para o mercado de trabalho, mas não é a única.


Próximo post: VT Dicas – Dinâmicas de Grupo

 


Posts relacionados

Mais recentes » « Mais antigos

Deixe seu feedback!

  • Fabi

    Me formei com 36 anos, NÃO sou aceita como trainee e NÃO consigo ingressar na área administrativa, só me chamam para entrevista porque tirei a idade do currículo, quando chego nas entrevistas a primeira coisa que falam: NOSSA! Você não parece ter essa idade! E sempre sou reprovada pela idade! Sequer me dão uma chance para mostrar minhas qualidades… não interessa se você tem inglês, é bom em computação e escreve bem. Melhor trabalhar por conta própria mesmo do que perder 4 anos na faculdade pra depois sofrer com o preconceito!

    • Glauberth Sá

      Eu também me formei aos 36 anos e encontro exatamente essa mesma dificuldade! Se soubesse que iria ser assim, teria me dedicado a passar em um bom concurso público, ao invés de perder todo esse tempo e ficar à margem dos processos seletivos. E olha que eu falo Inglês e Alemão…triste!!!

      • É uma pena que pense assim, mas eu entendo o seu ponto de vista. Com a sua idade, seus conhecimentos e bagagem de vida que certamente tem, é bem possível conseguir oportunidades como assistente, analista etc, não é preciso focar apenas em estágio e trainee. Abraços e boa sorte!

    • Oi Fabi! De fato isso é muito injusto e é uma realidade que precisa mudar. Por outro lado, você pode utilizar a experiência e bagagem que acumulou ao longo de seus 36 anos para buscar oportunidades como assistente e analista, por exemplo. Quando você vem de uma outra área e começa a fazer um curso de graduação, o ideal é mudar para a área desejada dentro da própria empresa em que já atua, ou por meio de contatos desenvolvidos dentro e fora da empresa. Abraços e boa sorte!

  • Vinicius

    Olá Cíntia, tenho 26 anos,concluir a parte teórica do curso técnico em eletromecânica, faltando somente o estágio obrigatório, estou passando dificuldades para ser selecionado e ficando muito desmotivado, mesmo assim pretendo cursar Engenharia de Controle e Automação.
    Trabalhei dos 18 a 24 anos como auxiliar administrativo, e essa experiencia não é aproveitada no ramo industrial, como posso me destacar em um processo seletivo de estágio ?, e cursar Engenharia com 27 anos é arriscado ?

  • Adriano Ramos

    Muito bom o artigo! esclarece muito as coisas! Realmente o preconceito existe no mundo inteiro, porém aqui no Brasil ou em países de terceiro mundo esse comportamento são mais acentuados! Eu tenho 33 anos, estou no último ano de Eng de Telecomunicações da Universidade Federal Fluminense(UFF), RJ. Iniciei como estagiário de engenharia e depois fui efetivado na função de técnico. Devido ao bom salário, benefícios e oportunidades de liderar equipes me dediquei mais ao trabalho do que a faculdade, até porque sempre tive a demanda de trabalhar, mesmo estudando numa Universidade Federal. Porém, descobri que amava mais a área de Telecom e decidi mudar de curso. Porém essa transição de área e a preferência em atuar no mercado gerou essa defasagem de idade/oportunidade. Sai da empresa e me dediquei a faculdade. Porém, sabendo que precisava me redirecionar e também consciente de que poderia contribuir com minha experiência profissional, ajudei a fundar uma Empresa Júnior em nossa Universidade. Sou o atual presidente e me sinto muito feliz, pois através desse projeto, vejo meus jovens colegas conseguindo ótimas vagas de estágio/trainee. Vejo o quanto meus colegas se desenvolveram, tanto em relação a prática empreendedora como em aspectos técnicos e de relacionamentos interpessoais. Contudo, vivo esse enorme desafio! Pois preciso atuar no mercado, buscar uma oportunidade e também completar a carga horária de estágio obrigatório. Percebo sim que a idade é um fator de filtragem nos Processos Seletivos e que por mais que não seja exposto fica claro meio que subentendido nas entrevistas. Entendo que os profissionais de RH tem uma zona de atuação que está associado ao escopo da vaga, as vezes criada por uma demanda do gestor, e por isso o alinhamento ao perfil da vaga é um fator chave! Só acredito que os Processos Seletivos poderam ser mais diversificados, como nos EUA, por exemplo, onde existe programas de estágio sênior, justamente para atender a essa realidade. Pois na concepção do “entry level” , a oportunidade é para o profissional ,independente da idade, exercitar as habilidades profissionais para entrar bem, mais capacitado, preparado e aderente aos cargos efetivos. O que fazer? Acho que a atitude empreendedora é crucial! vamos buscar também empreender, sonhar e planejar em abrir um novo negócio, inovar, tentar desenvolver uma tecnologia ou serviço para o mercado! Portanto, essa demanda transitória, que é o estágio/trainee vai passar! mesmo precisando muito de um trabalho remunerado, vou atravessar esse deserto, buscando oportunidades, mas sabendo que quando conseguir meu diploma, o céu é o limite! Obrigado!!!!

    • Muito obrigada, Adriano! Você trouxe pontos muitos interessantes, que enriquecem bastante o debate! Como já disse em outros comentários, o mercado tem mudado bastante, e em pouco tempo as empresas precisarão se adaptar e oferecer novos formatos, que incluam pessoas mais velhas e, principalmente, os processos seletivos devem passar por grandes mudanças também. Abraços e sucesso em seus projetos!

      • Adriano Ramos

        Obrigado também Cintia! Tenho amigos de outros países que relatam para mim que lá, ex: EUA, CANADA, Australia…essa questão da idade claro é relevante, mas o fator meritocracia é levado a sério! queria muito que o RH tivesse uma maior autonomia nos processos seletivos, mas você mesmo sabe que os processos de estágio/trainees são bem feitos, sofisticados e realmente coletam muito bem os melhores candidatos, mas as demais vagas é muito pelo QI. é incrível o nível de QI em detrimento da meritocracia Cintia! Sobe o foco do tema em debate. Um grande amigo e executivo de uma multinacional me disse que a empresa não quer fazer programa de Trainees porque passou por experiências ruins! A empresa investiu muito no PS , captou ótimos profissionais, treinou muito bem, mas com 1 ano de vivência profissional, uma concorrente chinesa fez uma proposta salarial para uns funcionários engenheiros juniores e conseguiu levar TODOS! Sendo assim, surge a questão ne! as vezes nesse modelo tradicional de captação de trainees esses jovens são muito voláteis a malandragem do mercado e suas poucas experiências fazem com que fiquem pouco aderente ao cargo, claro que o fator salário pesou, mas as vezes o plano de carreira a médio e longo prazo é melhor! Conclusão, a multinacional filandesa investiu, perdeu dinheiro em treinamento e capacitação e hoje se recusa a fazer PS pra trainees!

      • Oi Adriano! Você colocou muitos pontos importantes em questões complexas.

        Sobre o QI, é preciso não confundir com networking. Recomendo o artigo Existe QI nos processos para trainee?

        Sobre a saída precoce dos trainees, é essencial para as empresas avaliar o retorno sobre o investimento dos programas de trainee para ver se está valendo a pena, mas, por outro lado, há um aforismo (anônimo) que diz: “Melhor treinar as pessoas e correr o risco de que saiam do que não fazer nada e correr o risco de que fiquem”.

      • Adriano Ramos

        Perfeito! entendi e concordo! Temos muito que avançar em nosso país! Observo que estamos iniciando um novo período de trabalho e reformas que vão “forçar” o mercado a se reinventar! Recomendo aos colegas aqui 2 livros; O ócio criativo e as inteligências múltiplas de Domenico De Masi e Howard Gardner.

  • Isa Pekeno

    Já me recusaram um emprego por ser nova, tinha 21 anos, a responsável disse que “tava cansada de gente nova” e 1 ano depois continuo procurando emprego, me senti um nada naquele momento.

  • GABRIEL PALESTRA OCTACAMPEAO

    Tenho 30 anos, solteiro, cursando Gestão Financeira e Empresarial na FGV. Formado com 32 anos, conseguirei entrar como trainee ou no mercado em geral?

    • Olá, Gabriel! Como expliquei no artigo, algumas empresas possuem restrições de idade. Outras, não. Eu recomendaria que você buscasse trainee também, mas não só. O ideal é buscar vagas efetivas ou a efetivação no estágio ainda durante a faculdade.

  • clarissa ribeiro

    Olá Cintia! Adorei o seu texto, e é verdade! Fui trainee aos 25 anos e vi gente mais “velha” (28 anos) e altamente competente ou mulheres novas mas que tinha filho , ficar pelo caminho. O final do meu trainee foi meio traumático, apesar da empresa ser muito boa, promessas não foram cumpridas e dos 20 trainees que entraram comigo hoje só restam 5. Eu saí da empresa em fev deste ano, fui demitida junto com outros 150 colaboradores. Hoje aos 28 anos estou numa seleção para trainee e tenho receio por conta da minha idade mas principalmente por já ter sido trainee. O que podes me falar a respeito. Eles podem me ver como “a trainee que não deu certo?”

    • Obrigada, Clarissa! Algumas pessoas acham que estou “defendendo” a limitação da idade, quando na verdade eu quis apenas falar sobre o que acontece e o motivo. Infelizmente, especialmente por conta da crise, tem sido cada vez mais comum empresas cancelarem seus programas de trainee ou mesmo demitirem boa parte dos contratados ao longo da formação.

      Algumas empresas valorizarão a sua experiência como trainee, considerando que outra organização já “apostou” em você, além da própria bagagem que você adquiriu. Outras podem preferir profissionais mais “verdes”, com menos vícios de outras companhias.

      Quanto a ser “a trainee que não deu certo”, é importante que você trabalhe o seu discurso para falar sobre a situação pela qual a empresa passava sem falar mal dela (há uma linha tênue aqui) e também para destacar o seu aprendizado no período.

      Abraços e boa sorte!

  • Márcio Santos

    Realmente é desanimador ler um comentário desses, sofri para conseguir meu primeiro emprego por falta de experiência e hoje sofro por ter experiência, e ainda por estar na metade de um curso superior ter a incerteza do que vai acontecer após a formatura, mas faço a minha parte, estudar e não desistir dos meus sonhos, o senário atual é ter muitos jovens formados sem nenhuma competência, pq só se preocupam com as notas, não importa como as conseguem, ao invés de focar no saber, por isso vemos tantos absurdos em vários setores privados e públicos com tantos jovens “promissores” e deixando a experiência de lado, é um país do 8 ou 80, ou seja, supre o inexperiente ou o experiente, suprir os dois não dá….. Que os RH`s reflitam pois há muitas incoerências/absurdos nos processos seletivos por ai.

    • Pois é, Márcio! Esse tipo de situação tende a provocar frustração mesmo. No entanto, é importante entender que o estágio e o trainee não são as únicas portas de entrada para o mercado de trabalho, especialmente para quem já possui mais experiência e bagagem de vida.

  • Ariel santos

    Por isso que esse país sempre vai ser essa mundiça terceiro mundo. A gente que já passou dos 25 já está na hora de se revoltar e começar a lutar pelos nossos direitos. Estou cansado de ver moleque que não leva a faculdade a sério, cheios de DP conseguir estágio em bancos ou empresas multinacionais enquanto pessoas mais velhas, responsáveis e qualificadas não conseguem estágio em lugar algum.
    Depois esses profissionais do RH vão na mídia falar que faltam profissionais qualificados! Calem a boca. Este país nunca teve tanta gente competente desempregada e loucos pra mostrarem serviço.
    A visão brasileira que é repleta de borrões. Buscam rostos bonitos e não COMPETÊNCIA.
    Depois ainda aumentam a idade de aposentadoria. Veremos em breve uma legião de “idosos” desempregos e à míngua, sem direito a aposentadoria, porque não conseguem emprego a tempo de alcançarem tempo suficiente de contribuição. O caos está só começando. Enquanto as empresas não entenderem o seu papel na sociedade e ter essa visão mecanicista, elas serão a principal culpada pela crise na previdência.

    • Sim, isso é muito injusto, mas há sempre mais de um lado na questão: não seria injusto também se o jovem tivesse sempre de concorrer com pessoas mais velhas e experientes? Assim ele nunca seria escolhido. Esse tipo de oportunidade foi criada com o intuito de dar oportunidade a quem nunca teve experiência. Por outro lado, existem pessoas que pretendem mudar de carreira, e por isso voltaram a estudar. É uma questão delicada, para a qual não há uma solução simples.

      • Elizabeth Lizst

        Tenho 35 anos e passei por diversos problemas, especialmente de saúde, não podendo concluir a faculdade quando era mais nova. Assim, estou querendo recomeçar, porém, de acordo com o que foi dito, como estou velha e tampouco tenho experiência ficarei a míngua. As pessoas não seguem sempre o mesmo roteiro; a vida é, pois, cheia de surpresas que são, por vezes, desagradáveis, fazendo com que tenhamos de nos reorientar! Enfim. ..suicídio pode ser a saída.

      • Iago Reis

        Elizabeth eu entendo como você se sente. Tenho 25 anos, pouca experiência prática de trabalho e terminei um curso técnico de algo que na situação atual do país não vai me conseguir nem mesmo um cargo de auxiliar. As vezes desistir soa como a única opção, mas…será que é mesmo? Eu já pensei em desistir, mas sempre que eu me lembro de que eu tenho pessoas que me amam e se importam comigo, e que o mercado de trabalho funciona do exato oposto disso, eu tento ignorar o quão cruel a realidade é e continuo seguindo em frente. Por mim mas principalmente, por eles. Eu te recomendo tentar achar motivos que te mantenham seguindo em frente. Temos que continuar lutando.

      • Elizabeth Lizst

        Agradeço pela atenção!

  • Mitch Mckenna

    Uma das professoras do meu curso é tão hipócrita que aconselhou os jovens de 17 anos a viajarem pelo mundo e fazer a faculdade mais tarde. Tive vontade de levantar e cuspir verdades em sua cara. Mas ao invés disso aconselhei os jovens a continuarem o curso, que ao contrário do estudo, nunca será tarde para viajar. Fico feliz que me ouviram.

    • Não é necessário ser tão radical. As empresas também valorizam o intercâmbio, por exemplo. Não é porque você viajou por um ano ou dois que só irá se formar com 30 anos. O importante é que o profisisonal busque experiências relevantes a longo prazo, que tenham um impacto na sua carreira como um todo, e não apenas no primeiro emprego.

      • Mitch Mckenna

        Não é exatamente de intercâmbio que falo. Ela disse que com 17 anos eram muito jovens para fazer faculdade, que melhor seria viajar. Foi neste contexto.

      • Bem, é uma visão da professora. Lá fora é relativamente comum o “Gap Year”, uma espécie de ano sabático que os jovens tiram para viajar, conhecer novas culturas e mais sobre si mesmos antes de entrar na faculdade. Na prática, seja qual for o motivo que fez com que o jovem não entrasse na faculdade logo que terminou o ensino médio, não há nenhuma influência nos processos por 3 ou mesmo 4 anos. Se um jovem começar um curso de Engenharia com 20 anos, por exemplo, irá se formar aos 25, uma idade que costuma ser aceita mesmo nas empresas que fazem esse tipo de restrição.

  • Carla

    Olá Cintia, tenho 21 e somente nesse ano ingressei em uma faculdade federal no curso que tanto sonhei, engenharia aeroespacial na UFSC. Hoje minha grande preocupação é a idade que irei me formar aos 26 anos. No intervalo de tempo do término do ensino médio até ingressar na faculdade fui correspondente bancária formada pela caixa, porém fico apreensiva com o mercado de trabalho após me formar. Essa minha preocupação realmente é válida? De que forma devo me destacar ao mercado, iniciar assim q possível o programa jovem aprendiz ou dar preferencia ao estágio? Não sou formada por escolas de idiomas, contudo sei falar inglês, francês e espanhol fazer o teste de proficiência desses idomas me ajudaria a diminuir o “peso” da idade por me formar com 26 anos?
    Estou realmente muito preocupada.

    • Olá, Carla! Essa sua experiência anterior, como correspondente bancária, certamente lhe ajudará bastante a conseguir novas oportunidades, especialmente se for na área financeira, de vendas e outras relacionadas.

      É importante buscar estágios e outras oportunidades desde cedo. A preferência deve ser por vagas relacionadas à carreira que você pretende seguir.

      Os certificados de proficiência são bem vistos pelas empresas, pois demonstram que você realmente domina o idioma.

      Procure ter uma experiência rica durante toda a faculdade, com participação em atividades extracurriculares, cursos e outros eventos, além de ler bastante e desenvolver a sua rede de contatos.

      Não se preocupe tanto com essa questão da idade. Você terá muitas chances de mostrar o seu potencial para as empresas e o mercado de trabalho.

      Abraços

  • scratred

    Essa matéria é desencorajadora. Não queria ter lido isso.
    Tenho 30 anos e hoje foi meu primeiro dia na faculdade, uma turma mista entre 19 e 35 anos, mais pensar que a porção dos alunos entre 18 e 21 anos hoje é que vai conseguir as melhores vagas apenas pela idade é ridículo.
    Não vou desistir do meu sonho, pretendo exercer sim a profissão (engenharia elétrica) e vou bater de frente com esse sistema. Mais é triste isso.

    • márcia regina

      Concordo com tudo o que vc disse, essa matéria é desanimadora demais e tem mais achei “ridícula” a comparação que ela fez em dizer que aparece na própria lei do país, no caso para se candidatar para presidente ter no mínimo 35 anos, nesse caso é uma vantagem ser mais velho, mas só nesse caso. Quantas pessoas não têm condições de estudar mais jovens e só entram em uma faculdade após os 30 ou 40 e ai vem uma matéria dessas jogar um balde de água fria. Temos que rebater esse preconceito absurdo!! E parabéns, não desanime mesmo, lute, nade contra a maré e seja forte como o avião que voa contra o vento.

      • scratred

        Obrigado pela força.

      • Olá, Márcia! O meu objetivo aqui foi apenas o de apontar que existem momentos diferentes de carreira. Pela lei, o Jovem Aprendiz deve ter de 14 a 24 anos. Já um diretor de uma empresa costuma ter mais de 30, 35 anos.

        A amplicação do acesso à faculdade é uma realidade recente, por isso há hoje tantas pessoas mais velhas buscando uma faculdade depois dos 30, 40 anos. Com essa mudança de comportamento, certamente as empresas irão se adaptar.

        No entanto, é importante entender também que esses profissionais mais velhos costumam ter uma grande bagagem de vida e experiência profissional, por mais que não tenha sido na área que estão cursando. Nesses casos, há muito mais possibilidades de carreira do que apenas a de começar pelo estágio.

        Eu não estou aqui para defender a postura das empresas, e sim apenas para apresentar a realidade atual do mundo corporativo.

        Espero que você consiga a oportunidade que deseja

        Abraços

    • Olá! Não veja a sua idade como um ponto negativo, e sim como uma vantagem. Procure utilizar toda a bagagem pessoal e profissional que você já tem a seu favor. De repente você pode conseguir uma oportunidade já como assistente ou analista, “pulando” a etapa de estágio. Abraços

  • Mitch Mckenna

    E se o Mercado determinasse que homossexuais, mulheres e negros não são bons, deveríamos aceitar ou lutar contra e denunciar? isto já foi comum e ainda ocorre. O mesmo para o preconceito de idade. Nunca é tarde para estudar ou recomeçar em outro ramo. Temos que lutar e não achar que uma pessoa que estuda e dá duro e não consegue estagiar e trabalhar na área pela qual está estudando. a coisa é tão comnum que quem estuda com mais de 30 anos ouve piadinha até de professores, que deveriam estar ali para promover a integração da classe e não panelinhas.

    • Eu espero que você tenha entendido que o artigo se referiu exclusivamente à posição de “trainee”, que é considerada uma posição de “iniciantes” no mercado de trabalho. As empresas sérias já estão buscando aumentar a diversidade, contratando mais negros, pessoas com deficiência, pessoas acima de 45 anos e várias outras minorias que sofrem discriminação no ambiente corporativo.

      O mercado de trabalho tem mudado bastante. Hoje vemos muito mais mulheres em posição de liderança, por exemplo. Cada vez mais, essas barreiras que existem atualmente serão derrubadas.

  • Mitch Mckenna

    Ou seja, ou você estuda aos 20 anos ou esquece. Se não vai poder estagiar por causa de preconceito e restrição, não adiante que não vai pegar o diploma. A mídia só faz questão de mostrar pessoas que se formam para “realizar-se”, sendo que a maioria quer se formar para ser ainda mais qualificada para o mercado. Para se realizar até ler um livro está valendo. Se as pessoas estão vivendo mais, logo, devem ter chances amplas para estudar e trabalhar. Ou ter emprego agora é luxo ?

    • márcia regina

      Palmas para tudo o que vc disse. Vivemos em uma sociedade que tem prazo de validade. Não estudou na juventude, seu prazo já passou e todo mundo aceita isso passivamente. Chega, é preciso mais do que nunca dar um basta nisso.

      • Isa Pekeno

        pior de tudo que ate pra quem é jovem continua sendo dificil conseguir. Me recusaram um emprego por ser nova demais, tinha 21 anos

      • márcia regina

        Acho que essas empresas querem robôs porque em tudo encontram motivos para não contratar ninguém.

      • Às vezes pode ser essa a impressão mesmo, mas em geral, a busca é por candidatos alinhados ao perfil da vaga e cultura da empresa.

      • É uma pena que tenha acontecido isso, Isa! Às vezes um gestor teve uma experiência ruim com algum jovem que tinha problemas de imaturidade, por exemplo, e generaliza isso para todas as pessoas dessa idade. Já para outras posições, as empresas preferem pessoas com mais seniores, com mais bagagem e experiência.

  • Arely Salamandra

    Quando eu era promotora de vendas em lojas, me deparei com a seguinte situação : Um gerente recém chegado para substituir um amado por todos que fora transferido, e um gerente novato que teve que lhe dar com a rejeição geral por parte de toda a equipe de vendedores insatisfeitos com a mudança, as vendas caíram, e o atendimento que já não era lá dos melhores só piorou. Certo dia, ao chegar na loja, vi que o gerente tava lá em cima no mezanino só observando a equipe brincando e deixando os clientes passarem sem serem atendidos, eu, como sempre fui conciliadora, fui até lá e perguntei o que se passava, foi quando ele perguntou aonde ele tava errando, eu o respondi que o erro vinha lá de cima, quando davam preferência a pessoas sem experiência (não que eu ache errado, mas, toda escolha tem seu preço, e nesse caso, a empresa tava pagando um preço alto) e não davam oportunidades a pessoas mais velhas, e ele me perguntou pq ? Eu disse que das 4 lojas que eu cobria, a única em que os vendedores eram jovens, sem filhos, morando com os pais era a dele, e que na loja vizinha que eu tb cobria, era metade do tamanho da dele, não tinha o carro-chefe das lojas que era ELETRINHO, mas eles tinham a meta de vendas o dobro da dele, e batiam todo mÊs ! O que eu quis dizer com isso ? Na outra loja, os vendedores a grande maioria eram chefes de famílias, com mais de 30 anos, e com muitas responsabilidades nas suas costas, talvez por isso eles não se davam ao luxo de não baterem a meta, qp tinham filhos, aluguel, escola, e todas as despesas de um pai de família, entendeu a diferença? Acho que as empresas ainda não entenderam isso, que a maioria dessas pessoas quando tem uma chance, agarram com unhas e dentes, pq afinal, elas não sabem se serão a ultima ! Não sou de forma alguma contra a contratação de jovens, mas, os mais experiente são vistos como ameaças nas empresas, por isso eles preferem pessoas sem experiência, pq são recém formados e fazem tudo para se inserirem no mercado, até trabalharem o dobro pela metade do salário ! Entenderam o que eu quis dizer ?

  • Arely Salamandra

    Ah, então aquele velho discurso de que nunca é tarde para estudar não passa de balela ! Pode nunca ser tarde para aprender. Tenho 36 anos e por ter optado por ser mãe tempo integral dos meus filhos, tardei o ingresso numa faculdade, hj, embora tenha muita vontade, vejo que talvez seja apenas por satisfação pessoal e olhe lá, já que se ao precisar de um estágio e não tiver o famoso Q.I (QUEM INDIQUE) muito provavelmente, não irei conseguir nem isso. O mercado de trabalho tá cada vez mais exigente e menos atraente (no caso das empresas) pois exigem muito e pagam pouco, exigem idade mínima, mas, tem que ter experiência, disponibilidade para viagem, mas, tem que está cursando faculdade, e mais e… mais e… mais… e tudo sabe pra quê ? Para ganhar um salário de 1.000 a 1.500 reais, ou seja, muito provável que com o custo de vida moderna alta que nós temos, com esse salário vc mal consiga sair da casa dos pais, sinceramente, prefiro vender cosméticos de porta – porta que ganho bem mais e faço meus horários Isso explica o número cada vez maior de jovens que preferem abrir suas próprias empresas ao se formarem a irem trabalhar em empresas com os salários nada atraentes.

    • Lamento que se sinta dessa forma, Arely! No entanto, há varias oportunidades sim. Você certamente possui bastante experiência reunida ao longo dos seus 36 anos, e deve utilizá-la a seu favor. É possível inclusive que você consiga “pular” o estágio e ir direto para posições de assistente, analista, supervisor etc.

    • Fabi

      Você está corretíssima, estou entre essas pessoas que se formaram tarde (36 anos) NÃO sou aceita como trainee e não consigo ingressar na área administrativa, só me chamam para entrevista porque tirei a idade do currículo, quando chego nas entrevistas a primeira coisa que falam: NOSSA! Você não parece ter essa idade! E sempre sou reprovada por conta da idade! Sequer me dão uma chance para mostrar minhas qualidades… Melhor trabalhar por conta própria mesmo do que perder 4 anos na faculdade pra depois sofrer com o preconceito!

      • Ana

        Bem isso mesmo, nunca é tarde para aprender, mais conseguir uma oportunidade e outra história, cursei gestão de RH e nunca consegui uma oportunidade na area, sempre a mesma história “no momento estamos buscando alguém com experiência” , como ter experiência se não existe a oportunidade, nem mesmo para estágio se vc ja passou dos 30, e o que mais me choca e que o preconceito da idade é por muitas vezes da própria recrutadora de rh que já te descarta sem ao menos te dar a chance de participar do processo seletivo na empresa, parece que esse pessoal do rh esquece que eles tb irão envelhecer. Desisti de entregar currículos em agências e enviar por email para rh de empresas, só consegui uma oportunidade indo de porta em porta entregar curriculo, e não foi na area que graduei, pq sinceramente já desisti.

      • É bastante difícil mesmo conseguir uma oportunidade. Quanto ao “preconceito do RH”, acredite: o que o RH mais quer é fechar o maior número de vagas no menor espaço de tempo, então, quanto mais candidatos, melhor. As restrições são do perfil das empresas e dos gestores mesmo, acordadas previamente.

        Eu entendo que esse obstáculo é injusto, mas gostaria de destacar que, seja qual for o contexto, é muito difícil conseguir uma vaga apenas entregando currículo e se inscrevendo em sites e agências. É preciso desenvolver a sua rede de relacionamentos. Esse é um trabalho desenvolvido em longo prazo, pela participação em associações voluntárias do seu setor de atuação, congressos e outros eventos etc.

        Abraços e boa sorte!

  • Renan Alves

    Discordo da ideia de idade, pois temos um país envelhecendo, as pessoas estão tbm vivendo mais. E dependendo do tipo de trabalho, o que importa é a capacidade mental e intelectual, e não somente força braçal.
    Temos muitas pessoas com idade acima dos 30 voltando para faculdade e outros iniciando sua primeira faculdade agora depois dos 30 justamente pq agora conseguiu ter condições para pagar uma faculdade.
    Conheci um advogado, que depois dos 40 voltou para faculdade, é um dos alunos mais aplicados da sua turma de computação, ajuda muita gente com diversas dúvidas em programação.
    Por isso que eu digo, se uma empresa quer expertise em alguma área, não pode se prender a preconceitos e bobagens.

    • Mitch Mckenna

      Pois é mas tanto os professores quanto o Mercado acredita que estas pessoas só querem passar o tempo e serem completos. Sendo que a verdade é que querem poder trabalhar.

    • Maverick_RJ

      Trainee é o programa de jovens talentos. A empresa quer pegar o profissional com pouca ou nenhuma rodagem e formá-lo a seu modo… pessoas mais velhas, a menos que possuam pouca ou nenhuma experiência, não devem mesmo ser cogitadas… Já trazem seus vícios de onde vieram e/ou já adquiriram um modo de trabalhar

  • Denilson

    Bom dia! a pessoa recebe um convite para participar em processo de seleção,com cinco etapas,( prova escrita,redação,dinamica,entrevista,exames ),na terceira fase percebe a discriminaçã na idade (46) ,não é chamada para a próxima etapa,é legitimo?

    • Olá, Denilson! Geralmente o filtro da idade acontece ainda na triagem. Ou seja, se a pessoa já avançou em algumas etapas, isso significa que não foi a idade o motivo da reprovação. Abraços

  • Cacilda Eustáquio

    Cíntia Reinaux, lembre-se que VC vai envelhecer e pode sim passar pelo mesmo preconceito que hoje vem passando os profissionais acima de 50 anos. É injusto, imoral e triste tudo isso.
    E o pior não é nada, o Governo só sabe aumentar o tempo da aposentadoria. Brasil das Desigualdades Sociais. Muito triste tudo isso. Se vc procura se qualificar, para poder entrar no mercado de trabalho e tem mais de 50 anos, não adianta. Estão porcaria, nos aposente aos 40 anos e pronto, simples assim.

    • Olá, Cacilda! Entendo a sua frustração. O estágio foi concebido inicialmente como uma porta de entrada para o mercado de trabalho, uma forma de jovens inexperientes terem a chance de começar a trabalhar sem precisar competir com profissionais mais maduros e experientes.

      Com a amplicação do acesso ao ensino superior, muitos profissionais têm voltado às faculdades. Essa mudança de comportamento certamente provocará também a necessidade de adaptação das empresas a essa nova realidade.

      Por outro lado, os profissionais mais velhos provavelmente já possuem famílias para sustentar, e a bolsa-auxílio do estágio é apenas uma ajuda de custo. A experiência anterior desses profissionais não pode ser desprezada. Em muitos casos, eles poderão ocupar outras posições, tais como assistente, analista etc, “pulando” a fase de estágio, uma vez que já possuem uma certa bagagem corporativa e de vida.

  • Juliana

    Ou seja, nesse país você obrigatoriamente tem que estar formado até os seus 25 anos. Caso contrário, você não é bom o bastante. Ignoram a situação de que muitos não tem essa condição. Brasil de merda.

    • Juliana, entendo a sua frustração, mas espero que entenda também que o trainee é apenas uma de inúmeras formas de se entrar no mercado de trabalho. Aliás, menos de 1% dos candidatos (não importa a idade que tenham) são aprovados em programas de trainee. Logo, não é algo que pode ser dado como “certo” por ninguém. O mais apropriado é buscar também outros tipos de oportunidades.

  • Mitch Mckenna

    É, mas é preconceito sim. O fato de ser uma proposta para descobrir novos talentos ser até 30 anos. O trainee é o recém formado, que tem espírito guerreiro, com experiencia ou não no mercado, mas disposto a aprender. Este “novo” é a novidade, não pode e não deve se restringir a idade, de forma alguma. Ao contrário do que se pensa, a maioria dos que fazem Faculdade depois dos 30 anos quem sim atuar no mercado e sofrem preconceito exatamente de quem deveria apoiá-los e indicar vagas para eles. Afinal, seria normal discriminar alguém por ser negro ou etc? Logo, ter mais idade e uma capacidade enorme para aprender coisas novas pode ser considerado defeito. Este deve aceitar menos, sendo que tem qualificação?

    Agora o programa Jovem Aprendiz realmente faz sentido ter a idade, por conta que é a primeira experiência de mercado de alguém. Logo, não se é exigido formação superior, apenas ensino fundamental ou médio. É diferente de trainee.

    • Eu entendo a sua frustração, Mitch. Tampouco estou defendendo as empresas. No entanto, é importante entender também que o trainee é formado com o objetivo de, bem lá na frente, vir a ocupar posições estratégicas da empresa. Logo, a ideia inicial era a de se ter um jovem que construísse toda a sua carreira na empresa. Até porque os mais jovens costumam estar mais dispostos a se mudar constantemente, fazer viagens frequentes etc. À medida que a pessoa envelhece, outras pessoas entram na equação, como o cônjuge que terá de procurar emprego no novo local, o filho que mudará de escola etc.

      É claro que pessoas mais velhas podem ser tão inovadoras, criativas e empreendedoras quanto os mais jovens.

      Mesmo com todas as restrições, os programas de trainee continuam a apresentar milhares de candidatos por vaga, e as empresas ainda não aprenderam a lidar com isso. O que precisa mudar, na verdade, são os processos de seleção como um todo.

      De todo o modo, o convido a refletir que menos de 1% dos candidatos são aprovados como trainee, o que faz com que essa seja uma oportunidade bastante difícil de se conseguir, seja qual for a idade do candidato.

  • .

    Não gostei do tom de voz do texto. Soa muito “conformado” bem do jeitinho brasileiro de aceitar tudo que é imposto.
    Além disso, se conformar é aceitar a opinião dessas empresas que não enxergam valor em profissionais mais velhos, muitas vezes por puro preconceito.
    Cíntia, você como profissional de RH talvez devesse expressar a sua opinião no texto de forma mais firme, porque me parece que você é uma das pessoas que excluem candidatos pela idade e isso é bem feio.

    • A minha intenção com o texto foi a de explicar o cenário atual e as razões das empresas. Eu não trabalho diretamente com Recrutamento há muitos anos, e sim com outras áreas do RH.

      Publiquei um podcast com o tema de diversidade nas empresas. Talvez você ache interessante.

  • Eng. Marco IFSP

    Parabéns pelo texto!
    Muito explicativo, coisas que os RHs não nos falam abertamente.
    Coloquei o link deste artigo em 2 vídeos do meu canal do youtube (engmarcoifsp) que falam sobre mercado de trabalho.

    • Obrigada, Marco! E boa sorte em seu projeto com os vídeos. Abraços

      • Glêdson Ungido de Deus

        Estou atualmente cursando o segundo semestre do curso de Administração e já tenho levado muitos nãos em processos seletivos para estágio, mas o último que participei, me deixou pessoalmente ofendido, pois o tom da entrevistadora deixou bem explicitado que ela não me contrataria para a vaga em questão, unicamente porque eu tenho 35 anos e só para deixar bem claro vou reproduzir a fala dela de forma idêntica pois jamais vou esquecer o que ela disse: “O que você aos 35 anos faz a procura de um estágio??”

        Isso na minha opinião demonstra que ela tem uma mentalidade no mínimo retrograda porque o fato de eu ter essa idade não me faz ser incapaz de executar função alguma e ao invés de perder tempo preocupando-se com minha idade, ela deveria ter se atentado a avaliar as minhas habilidades e conhecimentos específicos, coisa que em nenhum momento a pessoa teve o interesse de saber

      • Mitch Mckenna

        Concordo. Também senti isto em vários processos para estágio. Diziam : “É sua primeira faculdade?” “Já fez outra? Etc

      • De fato, esse foi um comentário infeliz. No entanto, é importante entender que é natural que o recrutador procure saber sobre suas experiências que o levaram até ali (dos 18 aos 35 anos).

        Independentemente da faculdade, é esperado que você tenha trabalhado e que tenha também progredido nessa carreira, com promoções e outras formas de reconhecimento. Mais do que isso, é necessário saber explicar porque você está “regredindo”, ou seja, voltando alguns passos atrás ao procurar por uma vaga de estágio, que é uma posição para quem está iniciando a sua primeira experiência no mercado de trabalho.

        Existem várias razões para essa situação. Pode ser, por exemplo, porque você está migrando para uma área totalmente diferente, para a qual não possui nenhuma experiência, daí a busca por um estágio. Nesse caso é essencial claro que você entende que está “começando tudo de novo” e que não se importa com isso, que está disposto a aprender e ir crescendo novamente aos poucos.

        Abraços e boa sorte!

  • F

    Isso é errado, não podemos nos conformar muito menos reforçar isso. Imagine uma pessoa que passou a adolescência e início da vida adulta com problemas e não conseguiu começar a trabalhar. Ela procura seu primeiro emprego aos 25 anos e deve ser rejeitada por causa da idade? Que mundo é esse?

    “qual é o sentido de contratar uma pessoa de 40 anos, por exemplo?” – 40 anos ainda tem no mínimo mais uns 15 anos de vida profissional, e em média, mais uns 20 ou 25 anos de vida profissional. Esse argumento de “eles terão pouco tempo para se desenvolver” é totalmente falso pois serão, em média, mais 20 ou 25 anos trabalhando e crescendo. Além disso, em geral as pessoas nem ficam 5 anos na mesma empresa, então o argumento de que “não vai dar tempo de crescer dentro da empresa por causa da idade” é completamente falso também.

    Quero ver quem defende essa prática ser demitido e ficar desempregado aos 50 anos. Aí vão pensar “nossa, que injusto, não encontro emprego por causa da minha idade. E minhas contas? O que vou comer? E a minha família?”. Aí provarão do próprio veneno.

    Limite mínimo não é tanto problema, pois é possível ficar mais velho. Mas não é possível ficar mais jovem.

    • Olá! Entendo a sua frustração, e em nenhum momento defendemos que a prática seja correta. Nós apenas procuramos explicar o que acontece e o porquê.

      Os programas de aprendizagem, que, pela lei, só permitem contratações até 24 anos, surgiram porque muitas vezes os jovens são rejeitados pelas empresas por não possuírem experiência. Essa medida foi criada para facilitar a inclusão de jovens no mercado de trabalho, e não para prejudicá-los.

      Não é porque a pessoa tem mais de 25 anos e nenhuma experiência que ela será excluída e isolada do mercado. Ela apenas terá de se esforçar um pouco mais.

      Existem diversas oportunidades entre auxiliar e assistente de escritório, consultor de telemarketing, e muitas outras, além do próprio estágio, que muitas empresas aceitam jovens de até 30 anos ou mais.

      Em relação às pessoas mais velhas que foram demitidas, isso já é um outro ponto totalmente diferente. Muitas vezes essas pessoas ficaram para trás no sentido tecnológico e possuem certa dificuldade em se adaptar. Mais comum ainda é o fato de serem profissionais “mais caros”, por sua vasta experiência, o que faz com que muitas organizações prefiram contratar pessoas mais jovens, sem tanta expertise e, por isso mesmo, que podem trabalhar ganhando menos.

      Esse tema realmente é polêmico, mas a tendência para os próximos anos é de que as relações de emprego e trabalho mudem bastante, a fim de acompanhar as mudanças da era da informação e do compartilhamento.

      • Francisco

        Você vomita mentiras como se fossem verdades, me faz ter nojo de ser brasileiro!

      • Olá, Francisco! Lamento que veja dessa forma. A função do blog é informar e preparar as pessoas para o mercado de trabalho. Essa questão da idade é polêmica no mundo inteiro, não é apenas no Brasil que há restrições e preconceitos. Abraços

      • Mitch Mckenna

        Antes realmente era assim, mas hoje uma Redação como a Folha de São Paulo contrata jovens de 14 anos e não contrata alguém com 40. Logo, temos que lutar, pois falam que a média de idade aumentou, querem aumentar a idade para a aposentadoria com base nisso. Logo, por que não mexer neste preconceito. O mundo mudou. De chance pata quem tem 40 anos começar e recomeçar também ( e olha que nem cheguei lá, mas já estou lutando por isso)

      • Sheila

        Ola, gostei do artigo, tenho 39 anos, e vejo que o preconceito anda sorrindo, e triste viver num País hipócrita, que exige sua aposentadoria, e o mercado ignora isso, a lei e narcisista, indefesa, estou desempregada faz um ano, e esse Pais me causa nojo, só pelo fato de envelhecermos, sabendo que se ate hoje nao tive um dia de sol, por que os meus problemas de saúde em familia não me permitiram, pura ignorância desse maldito sistema.

      • Olá, Sheila! Lamento que esteja passando por essa situação. Já escrevi vários artigos para o Vida de Trainee para ajudar pessoas a conseguirem um emprego. Seguem alguns deles:

        VTcast 41 – Mandando bem no currículo
        VTcast 44 – Como tirar o melhor proveito do LinkedIn
        VTcast 30 – Buscando oportunidades
        VTcast 45 – Buscando emprego com direcionamento
        VTcast 58 – Perguntas comuns em entrevistas de emprego – Parte I

      • Mitch, talvez você fique feliz com essa notícia. No ano passado, a Folha de SP lançou um programa de trainee exclusivo para profissionais acima dos 40 anos: Programa Folha de Treinamento Experiente

  • Jéssica Ramos

    Olá Cintia, Meu nome é Jéssica e tenho 25 anos, atuo na area de desenho industrial desde os 18 anos, e atualmente trabalho com engenharia de produto no ramo moveleiro. Esse ano entrei para a faculdade de Arquitetura e Urbanismo, mas pretendo prestar novamente para FAUUSP, todavia, estarei formada com 29/30 anos.
    Você considera essa idade ruim para trainee? e também acha pessima idade prestar novamente (e entrar mais velha na faculdade) por querer publica?
    Abraços!

    • Olá, Jéssica!

      Pelo que você informou, já possui bastante experiência profissional e é bem provável que consiga uma boa colocação antes mesmo de se formar.

      Em relação à idade, alguns programas limitam sim a idade, mas o que não pode acontecer é fazer todos os seus planos girarem em torno de uma vaga de trainee.

      Como sempre enfatizo por aqui, o trainee é apenas um meio, e não um fim em si mesmo.

      Se você realmente se interessa em fazer uma faculdade pública, seja para economizar, seja pela qualidade, ou por qualquer outro motivo pessoal, vale a pena tentar novamente, só não recomendo que o faça se esse motivo for “ser trainee”.

      Abraços e boa sorte!

  • Juliana

    Olá Cíntia, tenho 37 anos, sou Graduada em Serviço Social há 3 anos, tenho Especialização em Psicologia Organizacional e do Trabalho, ambas foram realizadas à distância. Atualmente atuo como Assistente Social mas, essa profissão não tem me trazido boas realizações tanto financeiras quanto profissionais por isso tenho me interessado pela área de RH/Gestão de Pessoas, nunca atuei nessa área. Tenho notado que talvez pela minha graduação em Serviço Social e também por ter sido EAD eu tenha dificuldades para conseguir uma recolocação no mercado de trabalho. Dúvida: pra me inserir nesse novo ramo que é RH o que devo fazer? Um curso Tecnólogo em Gestão de RH ou Administração? Talvez um curso de Administração com minha idade? Fico em dúvida, visto que eu quero atuar mesmo é na área de RH. Estou estudando também a possibilidade de fazer outra Especialização em Gestão de Pessoas por Competências e Resultados pelo IPOG, desta vez presencial, em vez de outra graduação, o que você me aconselha? Desculpa por tantas indagações. Obrigada.

    • Olá, Juliana! Essa é uma questão muito pessoal. Uma boa dica para quem deseja mudar de área é buscar uma oportunidade dentro da própria empresa em que já atua, na sua nova área de interesse.

      Uma formação complementar também ajuda muito. Quanto à questão de graduação ou pós, EAD ou presencial, irá depender muito de seus interesses e possibilidades, considerando aspectos financeiros, disponibilidade de tempo etc.

      Se você acha que o EAD não está sendo bem aceito e deseja fazer algo presencial, pode começar com um curso simples de extensão, a fim de começar a desenvolver networking. Existem vários cursos voltados para folha de pagamento e departamento pessoal por exemplo.

      Enfim. São muitas as opções e muito a considerar. Às vezes também é interessante buscar orientação de carreira.

      Abraços
      Cíntia

  • leandro wiliam

    Olá Cíntia, meu nome é Leandro Almeida, eu fiz 3 anos do curso de direito, e agora estou concluindo administração e logo após sair quero fazer mestrado em logística, irei concluir com 29 ano, voce acha que com esta idade posso ter problemas em egressar no mercado de trabalho?
    Minhas notas é das melhores da sala no meu curso.

    • Olá, Leandro!

      Você está buscando se qualificar profissionalmente, e quanto mais você fizer isso, menos dificuldade terá para conseguir oportunidades no mercado de trabalho.

      No entanto, é preciso em paralelo adquirir experiência, que pode ser com estágios, trabalhos voluntários e participação em empresa júnior por exemplo. O que não pode é depender somente da formação.

      Abraços

      • leandro wiliam

        Ok Cíntia, muito obrigado.

  • Bruna

    Olá, me chamo Bruna e vou entrar agora com 19 anos na FEI. Gostaria de saber se encontrarei dificuldades em ser trainee com 24, 25 anos? Fiz dois anos de cursinho porque estava querendo arquitetura, mas vi que realmente o mercado não está bom e optei por repensar. Obrigada 🙂

    • Olá, Bruna!
      Não se preocupe. Com essa idade você estará dentro da média dos candidatos a programas de trainee. Abraços

      • Bruna

        Muito obrigada, Cintia! 🙂

  • katleen Catmann Bialski

    Otimo texto, estava procurando algo assim. Fico triste quando leio sobre limite de idade – dá a entender que o individuo é automaticamente descartado do mercado de trabalho assim que completa 35 anos. Isso me lembra o primeiro emprego, não fui contratada por ser muito jovem, sem experiencia e aos 35 terei dificuldade de ser contratada por ser considerada velha. Não é avaliado força de vontade e nem mesmo carteira assinada em outras areas. Eu tenho 24 anos, faço minha 2 graduação e pretendo fazer outra fora da minha area ao mesmo tempo. Moro em SP e ao contrário do que dizem que arrumar emprego aqui é fácil, eu digo que ao contrário. Pedem “mil e um” cursos extras, idioma estrangeiro, pós e experiencia – aqueles que não se enquadram ficam somente com o diploma pendurado na parede e vão para empregos de call center e/ou auxiliares tudo isso para não ficar desempregado. Quando se dá conta, já se passou anos ou o cara ja partiu para outra graduação. Eu gostaria muito que muitas empresas deixassem de lado o limite de idade para contratar pessoas. Tenho uma colega, 34 anos (e outros colegas tb, acima dos 30) que é uma pessoa extremamente responsável no que faz e ela tem o maior jeito de alguém com liderança. Mostra maturidade, respeito e muita força de vontade. Em compensação, eu e outras colegas mais novas, deixamos atividades para depois e outras vezes nem fazemos.

    • Olá, Katleen!

      Realmente é muito chato isso de limite de idade. No entanto, é importante lembrar que aqui eu estou falando de oportunidades de “entrada”, ou seja, cargos de estágio, assistente, analista júnior, trainee etc. Para outros cargos, o que irá contar mais será a sua experiência, independente da idade.

      Eu não vou dizer que é fácil para pessoas com mais de 50 anos, mas não há motivo para haver restrição de candidatos acima dos 30. É até comum esse tipo de contratação.

      O que é difícil mesmo é arrumar emprego quando se está desempregado. Quem já está trabalhando consegue mudar de empresa com muito mais facilidade.

      Sim, é complicado conseguir uma oportunidade quando se está mudando de área, mas a dica aqui é buscar crescer dentro da própria empresa em que está trabalhando, procurando oportunidades em outros departamentos da companhia.

      Abraços e sucesso

  • Ana L.

    Olá Cíntia,
    Tenho 25 anos e nunca trabalhei registrado, pelo fato de abrir uma empresa própria, mas agora que acabei de me formar em Administração, tenho duvidas se o mercado me aceitaria sem ter nenhum registro na CLT. Na sua opinião seria melhor procurar empresas que ofereçam trainee ? e a minha idade teria problema?

    • Olá, Ana! Na sua idade, as empresas buscam mais pela experiência na prática do que pelo que está no “papel” (na carteira de trabalho).

      Muitas pessoas que estão se formando nunca tiveram um emprego efetivo, e sim apenas estágios e outras experiências. Logo, o fato de não ter registro na carteira não seria um problema.

      Quanto ao trainee, é uma possibilidade, lembrando que são programas mais disputados que concursos e vestibulares, com média de aprovação de menos de 1%.

      Abraços

  • Charles

    Complicado isso, né?! Tenho 33 anos e estou no último ano de faculdade (engenharia elétrica numa universidade de renome no estado de SP). Procuro um estágio, desesperadamente, e não estou passando nem da fase de triagem curricular. O estágio é necessário para que eu possa concluir a graduação, mas sinto o peso da exclusão etária. Infelizmente (mesma palavra utilizada nos e-mails que ando recebendo ultimamente) as empresas não valorizam a experiência dos candidatos às vagas de estágio. Apesar de todo o esforço e comprometimento com os assuntos acadêmicos, projetos realizados, trabalhos voluntários, iniciações científicas e prêmios que conquistei durante estes 5 anos de estudo, a idade mostra ser um critério muito mais apreciado pela maioria das empresas. Infelizmente.

    • Olá, Charles! De fato as grandes empresas preferem contratar jovens para vagas de estágio, por diversos motivos: desde a preferência por quem ainda não tem experiência e pode ser “moldado” à prevenção de possíveis conflitos caso o estagiário seja mais velho que o chefe por exemplo.

      Recomendo que você comece a buscar oportunidades também em empresas menores, pois elas são mais flexíveis.

      Abraços e boa sorte

  • Felipe Magno

    Cintia,
    Adorei a publicação, meus Parabéns. Minha dúvida é a seguinte:
    Geralmente, concorrentes no processo de estagio e Trainee não possuem muita experiência profissional no mercado de trabalho. Eu fiz um curso técnico em MicroInformática, formei aos 18 anos, e iniciei minha carreira. Após 2 anos de experiência na área eu preferi mudar de profissão e iniciei o curso de Engenharia Mecatrônica aos 20 anos em uma universidade federal. Eu planejei nos últimos cinco anos buscar aproveitar todas as oportunidades que eu podia, como estudar inglês, projetos de pesquisas, etc. E obtive bons resultados quanto isso, sou um fundador da empresa junior do meu curso, fiz uma iniciação científica, dentre outras atividades acadêmicas. Porém, me senti afastado do mercado de trabalho e acho que minha pequena experiência em informática não será um diferencial quando eu começar a concorrer nos processos seletivos. Por isso, eu tentei programa ciências sem fronteiras para ter uma experiência acadêmica internacional e aprimorar meu inglês. Hoje, eu estou à 5 meses estudando inglês no EUA e volto para o Brasil em agosto de 2015. Infelizmente, minha previsão de formatura esta para 2016 e formarei possivelmente aos 27 anos sem experiência na área. Você acha que tenho boas chances de conseguir entrar numa empresa como trainee?
    Obrigado Cintia.
    Atenciosamente, Felipe

    • Olá, Felipe!

      Parabéns por tantas conquistas! O que é preciso ter em mente é como você tem se preparado e com que objetivo.

      Os programas de trainee não são um fim em si mesmos, e sim um meio.

      É claro que você possui boas chances de ser aprovado, mas também é preciso considerar que menos de 1% dos candidatos são aprovados, o que é de fato muito pouco.

      Mantenha o foco em sua preparação que muitas oportunidades irão surgir, independentemente de serem para programas de trainee.

      Abraços e sucesso

  • Hector

    Cintia,
    Muito Obrigado pela publicação foi muito esclarecedora.
    Tenho 28 anos e estou no 1º ano de Farmácia.
    Estarei formado com 33 anos porém pretendo seguir na área de Pesquisa e Desenvolvimento e quem sabe fazer um Mestrado e um Doutorado.
    A minha dúvida é: Se eu me qualificar bastante (sou fluente em 3 idiomas) tenho chance de entrar numa Indústria Farmacêutica mesmo 33, 35 anos?
    Consigo compensar a idade e a falta de experiência com uma boa qualificação?

    Obrigado

    Hector

    • Olá Hector! Obrigada!

      No mercado de trabalho há espaço para todo mundo, especialmente para quem está em busca de aprimoramento e qualificação. Com essa idade, dificilmente você conseguirá um programa de trainee, mas existem várias outras portas de entrada. Você pode começar como Assistente, Analista etc.

      A minha recomendação é que busque oportunidades ainda durante a faculdade, em empresa Júnior, trabalhos voluntários ou mesmo dentro das empresas.

      Abraços e boa sorte!

  • Luiz

    Cintia, excelente post. Parabéns! Quando estamos falando de mercado de trabalho é importante, antes de tudo, dinamicidade como você bem colocou. É abrir a cabeça e batalhar para mudar o “status quo”, não é verdade?

    Eu tive oportunidade de estudar mais tarde, antes de entrar num curso integral de Engenharia, numa universidade federal, fui office-boy e auxiliar de serviços gerais, me formei praticamente aos 28 anos e durante a graduação, tive oportunidade de estagiar na numa refinaria da Petrobras, eles me aceitaram mesmo tendo 27 anos na época. Aproveitei bastante a universidade, fiz muitas atividades extracurriculares e até tive oportunidade de receber uma ênfase curricular em Engenharia de Petróleo e Gás juntamente com a graduação em Engenharia Química. Desde de formado, como estava encontrando dificuldade para obter uma colocação, entrei numa Pós em Automação e atualmente faço Mestrado em Engenharia dos Materiais. Resumindo, estou tentando ajustar as velas. O mercado possui as suas restrições e “preconceitos” e portanto, a gente tem que buscar outros caminhos para realizar os nossos sonhos. Sei que trainee é uma peneira com buraquinhos bem pequeninos, afinal está em jogo, muitas vezes, a próxima geração de executivos da companhia. Por fim, tenho ampliado o meu Networking, conversado com várias pessoas de grandes empresas, sempre mantendo o otimismo de que alguma porta irá se abrir. O meu foco tem sido na preparação porque sei que quando chegar a oportunidade, estarei pronto.

    Mais uma vez parabéns e continue nos esclarecendo sobre o universo que você tanto gosta que é o de Recursos Humanos.

    Um forte abraço!

    • Puxa, Luiz, muito obrigada!

      É isso mesmo! Gostei de ver a sua preparação. Não se sinta “prejudicado” porque se formou mais tarde. Você já acumulou uma excelente bagagem com diversas experiências, e isso também conta para o seu desenvolvimento profissional. Não precisa ser “trainee” para ser um futuro executivo, basta entrar na empresa! A partir desse momento, todos que trouxerem bons resultados passam a ter essa chance.

      Abraços e boa sorte nos seus projetos

  • Fabiodelcorso Del Corso Assis

    Fico imaginando eu então… tenho 35 anos e estou no segundo semestre do curso de Engenharia de Produção. Já de antemão sei das dificuldades que terei em entrar no mercado. Mas nem de longe deixo me abater por isso.
    “Onde tem vontade, tem jeito”, já dizia o Patativa do Passaré.
    Ótimo o seu blog. Até mais.

    • Valeu, Fabio!

      De fato a sua entrada no mercado será um pouco mais difícil. No entanto, uma vez “lá dentro”, as suas chances de crescer serão como as de qualquer outro.

      Abraços

  • bruno

    Já tenho a minha primeira graduação em Design Gráfico e sempre trabalhei na área porém,atualmente aos 30 anos , resolvi ingressar numa faculdade de engenharia civil (1 periodo-2014)e seguir carreira nesta área… Me formarei com 36 anos e pretendo bem antes disso(ate os 32), ja procurar vagas de estagio e posteriormente mais perto do fim do curso, para trainee. O mercado pode me absorver?Pq n tenho estrutura para fazer um curso inteiro para ficar sem trabalhar na área, a frustração seria devastadora… Vale salientar que não me importo em deixar de trab onde estou por carteira assinada por um estagio pois, se eu quero tanto mudar de área tenho consciência que iniciamente será necessário ” dar um passo para trás, para dar dois à frente”

    • Olá, Bruno! Sendo bem sincera, pode ser que você tenha certa dificuldade em conseguir estágio/trainee, especialmente em empresas grandes. Recomendo que busque de toda forma conseguir fazer estágio antes de se formar, mesmo que em empresas menores. A sua meta será ser efetivado em uma delas, bem como construir um ótimo relacionamento (sempre tem alguém que muda de empresa e “leva junto” bons colegas de equipe). Mesmo que você não consiga ser efetivado, poderá buscar vagas de Analista, Engenheiro Jr etc, e até mesmo, “daqui pra lá”, pode ser que algumas empresas aceitem trainee com essa idade. Abraços

  • Maria

    eu moro no USA, thanks god! aqui uma empresa não pergunta idade para não ter problemas com processos contra discriminação. Isso sim representa uma economia avançada, não esta ignorância do brasileiro!!!! Thanks god eu não moro no Brasil!!!!!!!

    • Oi Maria, de fato ainda precisamos evoluir muito nesse sentido, mas não se iluda. O americano não pergunta a idade, como você bem disse, por temer processos. No entanto, nada impede que, durante a entrevista, a empresa perceba que você não tem a idade desejada e não lhe aprove por este motivo, embora venha a alegar outra razão. Isso acontece no mundo inteiro.

      • Bárbara

        É interesante nunca discriminarmos ou rebaixarmos a nossa origem. Os EUA podem ser sim, um modelo as vezes seguido, mas nem de longe eles são os anjos que alguns brasileiros iludidos acham.

    • Clara Almeida

      Thanks God, you’re Brazilian. Don’t you ever forget that. You will die as a Brazilian and will be treated as a Brazilian for the rest of your life. You can’t change the past nor erase the fact you were born in Brazil.

      • Celina

        E o que tem a ver o fato dele ter nascido brasileiro? Ele mora em um país onde não tem discriminação de idade, que é o tópico aqui.
        Reconhecem um bom profissional, que irá agregar experiência.

    • priscila

      CONCORDO CONTIGO. Isso tudo aqui ta uma droga mesmo…

  • Lima

    Parabéns Cintia pelas informaçoes esclarecedoras quanto a idade e o processo seletivo Trainee,porém me restou uma duvida particular.Sou estudante de Engenharia no Brasil e participo do programa governamental Ciencia sem Fronteiras na Alemanha. Atualmente estou com 22 anos de idade .Dessa forma pela duracao do programa CsF ,formarei com 25 anos ou possivelmente 26 anos de idade ,(dependendo da reposicao de disciplinas em detrimento da greve nas federais).
    Logo gostaria de saber se existe algumas possibilidade de empresas me recusarem pela idade,mesmo participando de um programa de intercambio universitário.
    Muito obrigado pelas informaçoes.

    • Olá! Primeiramente, parabéns pela oportunidade de participar do Ciências sem Fronteiras.

      Eu diria que, para a maioria dos programas de trainee, a sua idade não será um problema, mas também recomendaria que não se preocupe muito com isso: muita coisa pode mudar nos próximos anos, e o importante é que você continue se preparando da melhor forma possível.

      Abraços

  • Diogines

    Gostei muito das perguntas e respostas parabéns! Minha pergunta é parecida com algumas aqui estou cursando Eng. Mecânica tenho 25 anos vou concluir no final de 2016 e estarei com 28 anos nesse intervalo vc acha difícil encontrar estagio por conta da idade? Ja trabalhei em outras empresas nas nao na area, o que quero mesmo é estagio e não trainee.

    • Oi Diogines! Obrigada!

      Olha, em relação à estágio, a recomendação é que comece a procurar o quanto antes, e não apenas no final do curso. Algumas empresas possuem restrição de idade, mas o importante é continuar buscando de forma ampla, sem buscar apenas as “maiores”, mas também empresas menores e consultorias.

  • Adenilso José

    Cintia gostei do seu post! Isso e mesmo verdade eu nao fui selecionado em alguns processos por causa da idade. Eu tenho 32anos e estou cursando o 4° de contabeis.
    Voltei a estudar so agora. Eu acho que as oportunidades deveriam ser para todos os estudantes sem limites de idade.

    • Olá Adenilso! Concordo que todos deveriam ter oportunidade, e na verdade até possuem, mas cada uma em seu tempo.

      Recomendo que busque vagas efetivas de Assistente/Analista, ou ainda para o cargo que você exercia antes do curso (vendedor etc). Uma vez “empregado”, é bem mais fácil conseguir uma oportunidade mais adequada ao seu curso, às vezes dentro da própria empresa em que você entrou em outro cargo.

      Abraços

  • luiu

    Oi Cintia, bem esclarecedor seu post… Estou me inscrevendo em vários processos de trainee e enquanto os meus colegas (que possuem formação e currículo parecidos com o meu) estão passando para a próxima fase, eu ,que faço 31 anos em breve, não estou passando. Que pena, pois é difícil entrar numa empresa de outra forma sem ter experiência. Mas isso não é regra né? Acredito que vou encontrar empresas que topem me dar uma chance.

    • Olá! É esse o espírito! Existem empresas que topam sim dar uma chance. Uma dica é que fique ligada também nos programas voltados para jovens profissionais, mas não exatamente de trainee, pois podem se enquadrar no que você precisa. De vez em quando a DM (parte do grupo da Cia de Talentos) abrem programas como esse.

      Também recomendo buscar vagas de Assistente e Analista Jr, que também não exigem experiência.

      Abraços

  • Elizeu

    É fato. O meu currículo é bem completo: graduado em faculdade pública, mestrando em faculdade pública, experiência internacional, nível avançado em inglês e espanhol e outros. Contudo, até o ano passado, quando tinha 30 anos ainda fui selecionado para alguns teste, esse ano que tenho 31 só recebo a mensagem “agradecemos pela sua…”. A realidade é essa. Não tô importando. Existem outras oportunidade, como concurso, outras formas de entrar em uma empresa, criar sua própria, ser político etc. O ponto é: não seja peça do capitalismo, se não, vai se transformar em uma chave de fenda humana.

    • Oi Elizeu, uma pena que você não esteja sendo aprovado nas triagens dos programas de trainee, mas lembro que existem outras portas de entrada para as empresas caso esse seja o seu desejo. Abraços

    • Celina

      Uma pena, você com tanto valor e ninguém para reconhecer. Preferem pegar gente crua pra “moldar” como se isso fosse prender alguém na empresa.

  • Antônio

    Olá, tenho 27 anos e vou me formar em engenharia com 28, tenho chance? Post muito legal, apesar de ser uma notícia triste para nós “velhinhos”

    • Obrigada, Antônio! Pela idade, acredito que você tenha chance sim. Recomendo que se inscreva nos programas sem se preocupar muito com isso e, em todos que passar da triagem, pode ficar tranquilo, pois significa que a empresa não possui essa restrição (pelo menos para a sua idade).

  • Mateus

    Oi Cintia, venho aqui mais uma vez comentar um de seus artigos. Me formei em Engenharia com 25 anos, com 2 anos de atraso, que considero ser fruto do esforço para fazer uma faculdade federal (1 ano de pré vestibular e + 1 ano para completar a monografia que exige participação em laboratório). Nesse momento, estou há 4 meses desempregado, participando dos processos de trainee mas sem muita esperança (são poucas vagas, muita concorrência) sobretudo por não ter feito estágio em indústria (somente em laboratório) e com receio do tempo que está passando. Não tenho fé em mestrado, pós ou cursos, todos os meus amigos que estão trabalhando entraram por estágio (mão de obra barata, menos pré-requisitos). Sabendo dessa realidade um pouco “louca” do mercado e que as exigências para fazer estágio são bem mais leves que trainee, pensei em ser um pouco loco também: fazer uma segunda graduação em Engenharia, aproveitando as disciplinas que já cursei, desta forma posso aproveitar o vínculo com a nova universidade para fazer um estágio e ainda terei a oportunidade de ser contratado a qualquer momento devido a formação que já possuo. Você já encontrou candidatos nessas condições ? Eles sofrem preconceitos por isso ou são bem vistos? E se a faculdade for particular, interfere ?!
    Obrigado mais uma vez pelas contribuições, um grande abraço!

    • Oi Mateus,

      Acho que não é uma questão de ser “bem visto” ou não, e sim se realmente seria o caso de fazer uma nova graduação só para conseguir um estágio.

      Acho que você deve refletir bastante sobre os seus objetivos, o que pretende com a sua carreira etc, para que essa decisão tenha também outros fundamentos (por exemplo, área em que pretende atuar).

      Também adianto que, em multinacionais, também há um limite de idade para estágios. Talvez fosse interessante incluir na sua estratégia a busca de vagas efetivas em empresas menores, pois elas são mais flexíveis quanto aos requisitos. E, uma vez empregado, é sempre mais fácil conseguir outro emprego.

      De fato o estágio é um grande diferencial, mas também é importante que você saiba utilizar a sua experiência em laboratório e outras atividades extracurriculares a seu favor, mostrando como elas foram agregadoras para você.

      Abraços e boa sorte!

      • Mateus

        Agradeço mais uma vez sua ajuda Cintia. Também tenho tentado empresas menores, mas essas também parecem ter necessidade de contratar menos engenheiros, já estão cheias, é a impressão que tenho. Enquanto isso, um primo meu me dá a notícia de que foi chamado para uma entrevista de estágio, logo no primeiro dia após enviar um e-mail para essa Empresa. Parece um vício do mercado brasileiro, eles querem fazer os empregados “em casa”, como um time de futebol faz jogadores. Me formei em Engenharua numa universidade federal mas parece que só a experiência industrial importa. Por isso o meu “desespero” de querer fazer uma segunda graduação em áreas que vejo, depois de ter pesquisado sobre o mercado, que estão pedindo engenheiros (mecânica e civil). Isso que vem na minha cabeça: pra que me tornar mais caro fazendo mestrado/pós/doutorado se o mercado quer estagiários ? Conseguindo equivalência de disciplinas, já posso entrar nessa segunda graduação restando 2 anos ou menos para me formar, ou seja, estarei apto a fazer grande parte dos estágios. O único problema que posso encontrar é realmente o fato de já ter 25 anos, pois vi que algumas Companhias colocam 24 como idade máxima para estágio (apesar de perante a lei existir apenas limite mínimo). Com relação às empresas que não colocam esse limite de idade nos pré-requisitos, também poderão me eliminar durante o processo por conta disso ?

        Muito obrigado, novamente, pelas palavras. Desculpe-me pelo grande número de perguntas,
        um abraço.

      • Oi Mateus,

        As empresas contratam estagiários porque é bem mais barato mantê-los do que os funcionários efetivos, com todos os seus impostos e obrigações legais, não se trata apenas de formar um time “em casa”.

        O piso salarial do Engenheiro é muito alto, então realmente é difícil para um recém-formado ser contratado nessa posição. Por isso recomendei que você buscasse oportunidades como Assistente e Analista.

        A maioria das empresas possui algum limite de idade para estágio (que pode ser maior ou menor), independentemente de informar ou não. Na cultura brasileira, a adaptação de um estagiário de 40 anos seria muito difícil.

        Mas tudo o que estou falando é apenas a minha opinião. É importante que você reflita e converse com outras pessoas para que possa tomar uma decisão.

        Pode perguntar sempre que quiser.

        Abraços

  • Gutto

    Olá Cintia, primeiramente parabéns pela iniciativa e ótimo blog.

    Eu tenho 30 anos, e estou me inscrevendo em vários programas de Trainee, até o desenvolver do processo já terei 31, portanto após ler sobre esta “restrição de idade”, gostaria de saber se você pode informar quais empresas realmente não contratam trainees na minha idade.

    Obrigado

    • Oi Gutto, obrigada!

      Não tenho conhecimento de quais empresas possuem restrição e qual limite seria.

      O que eu posso dizer com certeza é que, infelizmente, com essa idade, haverá um bom número de empresas que não irá lhe selecionar.

      Recomendo que se inscreva nos programas das empresas em que realmente gostaria de trabalhar, independentemente de achar que elas possuem restrição ou não.

      E se por algum motivo você não for selecionado, não desista: continue se inscrevendo nessas empresas para vagas efetivas tradicionais, em posições de assistente e analista por exemplo.

      Porque quando a gente realmente quer, encontra um meio.

      Abraços

  • desiludida

    E eu iludida, quando soube que ia haver seleção para o Itaú, corri fiz a prova da cpa-10 (certificado para trabalhar em bancos) passei de primeira, no intuito ser um diferencial na seleção. Me ferrei, passei nas 4 etapas, mas no final, só ficou três loiras com menos de 22 anos e pouca experiência, que na minha opinião foram muito mal na entrevista coletiva, acho que não passei pela minha idade ( 33 anos). Então é isso que eles querem juventude beleza, ou seja, casca, e não conteúdo e preparo. Então única saída para quem quer ingressar no mercado financeiro e não ser discriminado é investirem concurso público.

    • Entendo a sua frustração, mas, em uma seleção de trainee, a postura e comportamento contam mais que os conhecimentos técnicos, pois o banco se encarrega disso.

      Nos primeiros meses é feito um “nivelamento” por meio de uma série de treinamentos, para que economistas e psicólogos, por exemplo, possam ter a mesma “base”.

      Além disso, esses programas são voltados para quem ainda não tem muita experiência. Algumas empresas, por exemplo, chegam a preferir assim, para que a pessoa não venha com muitos “vícios” de outros empregos.

      Em relação à sua idade eu lhe asseguro que, se você passou na triagem e, mais ainda, em 4 etapas, certamente não foi por esse motivo que você não foi aprovada (eles teriam te eliminado bem antes).

      Assim, sugiro que, depois que deixar a poeira “baixar”, faça uma autoavaliação sobre a sua participação e como poderia ter sido melhor.

      Por fim, em relação a concurso público, lembro que, embora a entrada seja imparcial, os critérios para assumir posições de chefia são bastante subjetivos.

      Abraços

  • Evandro

    Olá, Cintia! O engraçado é que no anúncio da vaga poucas empresas divulgam ‘até tal idade’. A graduação no Brasil expandiu demais nos últimos anos e muita gente mais velha teve e está tendo oportunidade de fazer faculdade agora, pois a faculdade pública, que deveria ser para quem tem renda mais baixa, infelizmente só é preenchida por quem consegue passar nos temíveis vestibulares, praticamente impossível para pela ‘qualidade’ do ensino público tradicional. É injusto quem batalhou para conseguir um diploma e não ter oportunidades por começado tarde. As empresas deveriam considerar isso, vista que até grandes profissionais mudam de carreira na vida.

    • Olá, Evandro! O motivo de poucas empresas informarem o limite de idade é porque essa prática é proibida por lei.

      Você está certo! Temos pessoas mais velhas se formando e outras mudando de carreira. O ponto aqui é que essas pessoas normalmente já possuem alguma experiência, pois desempenharam diversas funções até mesmo antes de entrar na faculdade, de modo que elas não precisariam começar como estagiárias ou trainees, por exemplo. Existem outras posições (assistente, analista etc).

      De todo o modo, as empresas têm observado essa tendência de mercado e, aos poucos, se ajustado a ela.

      Abraços

  • Quem garante a você que um candidato que é selecionado por ser jovem vai ficar na empresa por não ser velho? Isso é uma mentalidade terceiro mundista..Eu tenho 46 anos e já fui aprovado em 2 programas internacionais,um na Espanha e outro na Alemanha – nunca fui chamado em nenhum programa trainee em meu próprio país!E eu lamento que um pais feito o Brasil que alega falta de mão-de-obra qualificada fique com esse discurso e muitos idiotas acreditam em vcs dos RHS. Nos programas que eu participei houve um equilíbrio entre os selecionados novos e velhos, entre negros e brancos, entre os que não têm experiência e aqueles sem experiência.ÉÈ por isso que tais países sempre serão modelos para nós pobres brasileiros que pensam que estão fazendo um bem ao pais ao selecionar apenas rostos bonitos.Lamento ler e ouvir tais ideias de idiotas que fizeram universidades e o que mais lamento é ver tais idiotas realizando processo seletivo.Hitler adoraria esse discursos de idade e de beleza física em processo seletivo.

    • Olá Rosano,

      Em nenhum momento eu falei que pessoas de mais idade devem ser discriminadas. O que eu expliquei é que algumas oportunidades, como os programas de aprendiz, estágio e trainee, são destinadas a jovens que estão tendo o primeiro contato com o mercado de trabalho.

      Todo país tem programas que incentivam a contratação de jovens para que eles consigam uma oportunidade mesmo sem ter experiência. No Canadá, onde eu atuei na área de Recursos Humanos, também há programas desse tipo.

      O RH que você tanto critica é justamente a área que garante a diversidade nas empresas, combatendo a discriminação e desenvolvendo programas para aumentar a contratação de portadores de deficiência, negros e pessoas mais velhas, entre outros.

      Você pode participar das discussões no Vida de Trainee sempre que puder contribuir, mas peço que o faça sem ofender grupos de pessoas que possuem uma opinião diferente da sua.

  • Pablo

    Parabéns pelo post. Adorei! Você escreve muito bem, e graças a você consegui esclarecer minha dúvida a respeito disso.

    • Obrigada, Pablo! Em breve publicarei novos posts para esclarecer ainda mais dúvidas de candidatos.

  • Igor

    Gostei muito do site, mas eu discordo de algumas informacoes. Com relacao a idade para trainee, acredito que seja uma juncao de fatores que indicara se a pessoa eh apta ou nao ao carga dependendo da idade. Em bancos os diretores tem em media 35 anos, entao nao esta no perfil ter um trainee com mais de 30 anos. Na industria o importante eh a pessoa poder ter mobilidade, morar em lugares diferentes, conhecer o negocio completo da empresa e se a pessoa for mais velha tera familia, nao aceitara tao bem as mudancas (nesse caso tem excessao para quem tem experiencia internacional, pois isso acaba sendo vantagem para se adaptar a ambientes diferentes e gostam de novas experiencias). Ja para consultoria (E&Y, KPMG, PWC e Deloitte) eles contratam, via de regra, MUITAS pessoas com mais de 30 anos, pois sao pessoas que vao se dedicar mais ao trabalho, vao “agarrar” a oportunidade e vao ralar, alem de ter responsabilidade e postura, pois prestar servico em cliente (nesse caso os muito novos tem mais dificuldades).

    • Olá, Igor.

      Obrigada pela sua contribuição.

      As informações que passei nesse artigo foram gerais, sem entrar no aspecto de programas específicos. Eu poderia citar, por exemplo, os programas de formação de executivos, como o da Oi e outros que exigem pós-graduação/MBA, e que por isso são voltados para candidatos mais maduros.

      A ideia do artigo foi esclarecer que o limite existe sim, mas que não é tão baixo quanto o que as pessoas pensam.

      É claro que existe a possibilidade de uma pessoa ser trainee com mais de 30 anos, mas, ao meu ver, uma pessoa dessa idade que ainda está buscando colocação no mercado de trabalho não pode se prender a apenas um tipo de oportunidade.

      Abraços

  • Carlos

    Muito injusto essa colocação. Se a pessoa tem 30 anos e nunca trabalhou, está desesperada pra ter um emprego, como faz??

    • Oi Carlos, de fato, é injusto.

      No entanto, a solução para essas pessoas é buscar todo tipo de vagas, e não apenas de estágio. Desde vagas como assistente a rececpcionista, consultor de call-center e outros.

      Uma vez dentro das empresas, o profissional terá chances de mostrar todo o seu trabalho e dedicação, cursos e tudo o mais, e poderá assim receber promoções e crescer lá dentro.

      Além disso, é importante buscar também empresas pequenas, que costumam ser mais flexíveis quanto aos pré-requisitos.

  • Livia

    Ola Cintia,

    seu blog responde muito bem as minhas perguntas. Inclusive, estou impressionada com a quantidade de pessoas na mesma situacao que eu, que moraram fora do Brasil por anos e agora estao retornando e tentando iniciar a carreira em trainees. Bom, a minha pergunta é a seguinte: so as graduaçoes sao consideradas nestes processos? Fiz a minha em Relaçoes Internacionais, pos e mestrado nas areas de logistica maritima portuaria. Ainda moro fora, mas a minha vontade de voltar ao Brasil é muito grande. Abraços

    • Olá, Livia!
      Muito obrigada!

      Normalmente a própria descrição do programa de trainee informa se pós-graduações também são consideradas.

      Recomendo que busque ambém vagas efetiva tradicionais, já que a sua área tem bastante campo no Brasil.

      Abraços

  • Rafael

    Boa tarde Cintia, parabens pelo blog. Tenho 27 anos e vou me formar em 2014 Eng de Produçao. Comecei a faculdade um pouco “tarde” pois morava nos EUA e so tive oportunidade de bancar um curso superior depois do retorno para o Brasil. Estou encontrando muita dificuldade em entrar no mercado de trabalho. Sera pela idade? Falo inglês fluente, fiz ensino fundamental e médio nos EUA. Uma outra pergunta, como avaliar se o curriculo esta bem elaborado. Moro no Sul de Minas, ja pensei em mudar para o interior de Sao Paulo, regiao de Campinas, pois la a oferta de emprego é maior e nao é necessário ter um QI dentro de uma empresa para conseguir alguma vaga como na minha cidade. Mais uma vez, parabens pelo blog e muito obrigado.

    Abraços

    • Olá, Rafael!
      Muito obrigada pelos elogios!

      O que eu posso dizer é que, para programas de trainee, de fato você terá um pouco de dificuldade em relação à idade, uma vez que concluirá o curso com 29 anos. Embora o limite esteja cada vez maior, muitos programas ainda possuem restrições.

      Agora, em relação a oportunidades de um modo geral, a idade não representa um problema. Você possui alguns diferenciais como o inglês fluente e a formação no exterior. Você também trabalhou nos EUA? (o que fez entre o Ensino Médio e a volta para o Brasil?)

      Essa questão de QI tem uma influência maior em empresas e cidades pequenas. Se na cidade em que você mora há uma boa oferta de empregos, isso também não deveria estar lhe atrapalhando.

      De qualquer modo, pode ser interessante fortalecer o networking, começando pela faculdade. Também é muito importante buscar atividades extracurriculares enquanto você não consegue um estágio/emprego.

      Fiz um vídeo que ensina como elaborar um currículo. Espero que possa ajudá-lo: http://www.vidadetrainee.com/2011/08/22/roda-o-vt-1-como-elaborar-um-curriculo/

      Abraços

  • Eduardo

    Olá,
    Tenho 30 anos estou na 2 fase de adm- comercio exterior, sera que ainda terei chance de ser chamado para estagio em algum banco?

    • Olá, Eduardo! A sua preocupação é em relação à sua idade? Se for o caso, o que posso dizer é que muitas empresas não contratam estagiários com mais de 25 anos, mas que você não deve desanimar.

      A minha dica é que não procure apenas grandes empresas, pois as pequenas costumam ser mais flexíveis com isso. Cadastre-se em consultorias e centros de estágio, como o IEL, o CIEE e o NUBE e acompanhe as vagas.

      À medida que você for ganhando experiência, será mais fácil conseguir boas oportunidades em grandes empresas.

  • Juan

    Sua Linda!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Parabens pelo site!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Tambem trabalho com RH e gostei de suas analises, explicações e informações na coluna ” Mitos e Verdade”. Você tambem escreve muito bem, parabens!
    Sua Linda!!!!!!!!! Um bjo

    • Olá, Juan! Obrigada!

      Em breve escreverei mais posts para essa coluna.

      Abraços

  • Diego

    O texto esclarece bem algumas duvidas que existem sobre o tema. Essa é uma das preocupações que muitos tem e procuram respostas para isso. Decepcionado com o curso de Administração que fiz, penso em partir para o que sempre sonhei, Biologia. Ao planejando, tive que ponderar a respeito de como ocorreria minha inserção no mercado. O texto tirou algumas dúvidas e deu um novo folego na minha busca pela felicidade. Muito obrigado.

    • Olá, Diogo! Que bom que pude ajudá-lo! Boa sorte e sucesso

  • Olá, Bruno! Adoro encontrar conterrâneos no VT! Muito obrigada pelos elogios!

    Olha, em relação ao diploma, muitas empresas exigem uma espécie de certificado de equivalência emitido pelo MEC. Você pode encontrar mais informações no site.

    Parabéns pela sua trajetória na Europa! Muito legal. Acho que você pode se candidatar tanto a programas de trainee quanto para outras vagas aqui no Brasil (ou na Europa também se fizer parte de seus planos).

    Legal o seu vídeo. Aqui no Brasil as empresas costumam ser um pouco mais específicas, fazendo perguntas como “Qual é a sua marca no mundo?”. Daí o candidato deve direcionar o vídeo para responder o que foi pedido.

    Um abraço, boa sorte e sucesso!
    Cintia

  • Margareth Almeida

    Achei interessante o texto acima, porém sofro o inverso da grande maioria por aqui: sou técnica formada em Informática pelo SENAI e atualmente faço Eng. de Computação (sexto semstre). Venho me candidatando em vários programas de estágio, e vou sentir na pele se essa distinção procede ou não. Tenho 35 anos, e embora tenha experiência profissional e acredito que uma maior inteligência emocional em lidar com situações difíceis como pressão, prazos e reclamações de clientes, me limito à pouca experiência na área em que estudo (daí minha grande vontade em ingressar num bom programa de estágio). Qual sua opinião?
    Obrigada!

    • Olá, Margareth! De um modo geral, as empresas preferem não contratar quem já tem mais de 30 anos para vagas de estágio, pois esse tipo de programa é destinado a quem ainda não teve nenhuma experiência, fica difícil atender as expectativas de quem já está no mercado.

      Ainda assim, você está em uma área que tem apresentado grande demanda, faltam talentos para preencher as posições, então isso deve lhe beneficiar.

      Eu diria para você continuar se inscrevendo em programas de estágio, mas que também busque oportunidades efetivas, afinal você já possui um curso técnico. Você pode conseguir um cargo de assistente, por exemplo.

      Abraços e boa sorte!

  • Bruno da Costa

    Cintia minha querida, tudo bom? Sou o Bruno, tb Pernambucano de Recife e com muito
    orgulho.. Olha adorei o seu blog, well done! enfim gostaria de
    esclarecer algumas duvidas. Estou concluindo minha faculdade agora em
    setembro aqui na europa, estou me formando em Business Studies que é o nosso Administração de empresas. Gostaria de saber de se terei algum problema em relação a minha graduação não ter sido feita ai no Brasil?diploma? estou com 27 anos e estarei completando 28 agora em novembro. Moro fora desde 2007, o que deveria ser um só um intercâmbio para estudar inglês na Inglaterra por 8 meses, aconteceu que, eu terminei mudando de planos e resolvi ir para Irlanda-Dublin no propósito de fazer uma universidade e hoje estou super feliz, terminando e um pouco ansioso para voltar, entende? mercado, aceitação, tempo fora, e etc. Tive oportunidade de trabalhar aqui na área, realizei projetos pessoais tb, participei de 2 seleçōes para trainee aqui na europa uma para a Jameson Whiskey- pernod ricard e outra para Unilever uk..A seleção da Pernod Ricard eu cheguei até a última etapa mas infelizmente não fui aprovado, mas só o fato de ter competido com nativos de língua inglesa, e eu lá representando o nosso Brasil entre outros 32 candidatos e poder ter chegado na reta final com todos os empecilhos, para mim já foi uma vitória. Mas logo em seguida tive outra oportunidade em outra empresa no segmento de Marketing e promoção da qual tive a chance de desenvolver um bom trabalho e de aprender bastante também. Segue o video que fiz como primeira fase do processo da Jameson graduate programme, talvez sirva para ajudar alguns candidatos em apresentaçōes requeridas em vídeo.
    http://www.youtube.com/watch?v=OGHf-aj0nXU
    Cintia desde já, agradeço pela atenção. Forte Abraço,
    Bruno da Costa

  • Oliver

    Olá, tenho 21 anos e com muito orgulho posso dizer que nem todos os processos seletivos para trainees reprovam candidatos por serem mais novos como no meu caso, pelo menos na KPMG, adoro essa empresa. Eu sempre procurei inspiração em “sonhadores” como eu que tinham passado em processos de trainee e deixavam os seus depoimentos incentivando outros sonhadores a persistirem nos seus objetivos. Pois bem, agora, finalmente, sentindo muita satisfação em deixar essa mensagem para você também ser aprovado. Principalmente a você mais jovem que acha que nunca será aprovado pela pouca idade ou pela falta de experiência. Se liga amigo, é mentira!rs Vou contar o que aconteceu comigo. Serei trainee a partir de setembro de 2012, passei nos processos seletivos da KPMG e minha carteira de trabalho neste momento já deve estar sendo assinada e carimbada pela empresa, como eu estou feliz por isso, e você também logo estará! Bom, eu me surpreendo quando leio depoimentos que alguns dizem que a idade é um critério rigoroso nos processos seletivos e blá-blá-blá. Penso que num processo seletivo o que vale mesmo é ter a sensibilidade em saber a maneira certa de como transmitir que você tem o know-how e a expertise para a vaga pretendida, e, apesar de alguns por aí me considerarem jovem demais para ter tais conhecimentos, eu posso dizer que a falta de experiência profissional é apenas um pequeno fato ruim que por mim nunca foi considerado um grande empecilho. Digo não pelo que penso, mas pelo que sei, pelo que eu já passei nos processos seletivos. Vou explicar. Desde quando iniciei a faculdade de administração de empresa quando tinha 17 anos, já havia determinado comigo mesmo que era numa multinacional de auditoria que eu iniciaria minha carreira. (Veja bem, eu nunca disse “queria iniciar”, mas afirmei o fato de que “iniciaria”, acredito que ser superotimista com o que você só tem a ganhar não seria nenhuma desvantagem, afinal, qual é a vantagem em prestar um processo seletivo receoso de que a vaga será sua? Talvez medo de como você ficaria caso não passe?! Esqueça isso, caso você não passe, em 2 dias você supera!rs, já superei tanto…) Determinado isso, no segundo ano de faculdade eu já poderia me inscrever em processos seletivos. A primeira vez foi na PWC. Fiz o teste online e passei para a dinâmica, me lembro que o nível dos candidatos em 2010 era muito alto pensei comigo, muitas pessoas superviajadas e com muitas experiências profissionais além de um inglês fluente perfeito, mas não foi por isso que não passei, apesar de não ter nenhum desses critérios, acredito que eu não soube transmitir de maneira positiva e concreta o que eu sabia o negócio e sobre mim mesmo, eu fui muito “bobinho” naquele dia, afinal, prova disso é que hoje ainda não tenho essas experiências profissionais, não viajei internacionalmente e muito menos tenho o inglês fluente, mas consegui passar num processo seletivo. E pra ser franco, não senti uma “ligação” com aquela empresa, as pessoas, enfim, percebi muito ego se exibindo naquela sala, faltou simplicidade e humildade entre os diretores, gerentes e recrutadores presentes, me senti acuado naquele dia, aflito por tanta gente que se demonstrava ser o avaliador “bam-bam-bam”. Eu sou uma pessoa simples, odeio ambiente com pessoas “frescas” e cheias de si, pra mim a base de tudo, principalmente num processo seletivo é saber se relacionar com simplicidade, com alegria no olhar, demonstrar amor sincero para com todos, não apenas fazer por obrigação, alguns podem dizer que isso é querer demais da minha parte e que é besteira, mas garanto, sentir que há “veneno” no ambiente e cada um quer fazer apenas por si e que se dane os outros não é bacana, não faz bem aos seres humanos, enfim, não admirei a empresa, não gostei dos valores demonstrados ali e pronto, nada contra a PWC, pois é uma empresa séria que está em 145 países hoje graças a 161000 profissionais competentes que fizeram a história e a tornou uma das Big Four, mas não era para mim. Em 2011 participei pela primeira vez de um processo seletivo na KPMG, passei na fase de testes online de inglês 40 questões e raciocínio lógico 20 questões, passei na fase de dinâmica de grupo realizado num hotel supershow, (um monte de coisa pra comer, adorei!rs) nessa dinâmica eu senti a tal “ligação” da empresa com os meus próprios valores e comigo mesmo, foi “amor” à primeira vista, eu sabia que era lá que eu logo trabalharia, (bom, é legal dar um toque pra que você faça a lição de casa, aprender sobre a empresa, o negócios, os concorrentes, antes de participar das fases presenciais, isso é importantíssimo) enfim, essa dinâmica foi assim, apresentação da empresa pelos recrutadores e o gerente regional e supervisor que estavam lá, apresentação pessoal e formal na frente de todos com direito a perguntas pelos recrutadores, um case do negócio pra ser discutido em equipes de 4 pessoas e apresentado na frente com as possíveis soluções para o problema, e discussão de um case mais amplo e com todos, como se fosse um debate, me lembro até hoje que o caso era chagar a uma conclusão e dizer se era bom ou não a privatização dos aeroportos até a copa de 2014, foi uma grande discussão, até interessante, todos opinaram, opiniões diferentes, pontos de vistas ressaltados, enfim, é aí que você vai demonstrar para os recrutadores se você tem o jogo-de-cintura, se sabe falar, demonstrar soluções, escutar, ouvir desaforos e responder inteligentemente, (porque francamente, tem tanta gente que não mede consequências pra “ficar por cima” e é tão chato apelar, bom, eu nesses casos optei pela “calma” e ser o passivo da história, mas claro, levantando questionamentos importantes, pois ver o que ninguém vê e lançar um aspecto importante do problema para uma discussão grupal, certamente conta pontos), no mesmo dia soubemos quem passaria ou não para a etapa de painel de competências, depois daquele case grupal, os recrutadores fizeram uma reunião à parte para selecionar quem passaria ou não, enquanto os candidatos se degustavam nos lanchinhos que por sinal eram ótimos. Enfim, passei!!!, apenas 2 dias depois era a etapa de painel de competências, e era a mesma coisa, a diferença estava em ter que levar uma apresentação pessoal para ser exibida em power point em no máximo em 5 minutos (é aí que alguns viajam falando coisas demais ou de menos, vangloriando-se de seus feitos pela humanidade ou lamentando-se pelos seus fracassos, outros, foram atá nostálgicos e exibiram uma novela sentimental e blá-blá-blá) eu, sem experiências PROFISSIONAIS, sem viagens e sem inglês, fiz uma apresentação extremamente formalizada, com o objetivo de fazê-los acreditar que os meus valores eram o que eles esperavam, e a minha vontade de ser um trainee da KPMG era o que eu mais queria para iniciar a minha carreira, o que não é mentira ou exageros, pois era o que eu pretendia a tempos, eu simplesmente desabafei, falei com o meu coração, fui franco dizendo que sabia que eu estava em desvantagem por não ter tantas qualificações que eles esperavam num candidato para uma empresa multinacional, enfim, não fui emotivo e nem o sou, creio que eu seja até um pouco “frio” pra um garoto de 21 anos, mas deu certo, passei!!! pra fase final, a temida entrevista individual. Pois é, cheguei tão longe, que infelizmente deixei o temor me dominar, como dizem: nadei e nadei, mas morri na praia. No dia da entrevista eu fui com um terno que não me deixou nem um pouco à vontade, achei que isso era importante, mas para mim foi pior do que se eu não estivesse de terno, foi terrível, a entrevista aconteceu no próprio escritório da empresa, até então, as fases aconteciam num hotel. O “cara” que me entrevistou era um “prego”, metido e com ares de arrogante, totalmente fora do perfil KPMG (e olha se eu que ainda nem comecei consegui identificar isso, imagina os caros colegas!), enfim, as perguntas eram as mesmas sobre o currículo e algumas pessoais não tão profundas. Perguntou se eu tinha dúvidas e foi só isso, mas, confesso que me senti despreparado emocionalmente para estar ali, até então, a ficha não tinha caído, eu não acreditei que candidatos supergabaritados não haviam conseguido chegar até aquela fase, eu não acredite que eu tinha passado, e penso que essa falta de autoconfiança foi algo importante que eu dispensei naquele momento, contudo, aliado ao conjunto da obra e ainda mais por eu não ter conseguido me controlar naquela bendita cadeira de girar, não conseguia parar de mexer, fiquei nervosamente inquieto e pior, naquele dia estava um céu claro, e pode parecer bobo, mas eu nunca tinha subido num andar tão alto, e quando eu vi aquela enorme janela aberta atrás do entrevistador, perdi completamente a atenção ao deslumbrar aquela vista maravilhosa com prédios altos e um céu lindo, sonhei… sonhei… e sonhei….rs, enfim, é ridículo, mas não consegui olhar para o entrevistador seriamente, ainda mais ele com cara de quem chupou limão e não gostou, saí de lá certo de que passei má impressão e que não seria aprovado nessa última fase. E realmente, não passei!!! Mas não desisti, aprendi a lição e neste ano fui lá eu participar novamente do processo seletivo para trainee da KPMG 2012. Fiz todas as etapas como antes, passei novamente, agora mais maduro e pronto pra encarar a não mais temida entrevista final. Acho que por ter pensado dessa forma, o destino se encarregou de complicar um pouquinho pro meu lado na última fase. Em vez de um, eram TRÊS entrevistadores, é, eu disse 3 entrevistadores, sendo o gerente regional, o diretor regional e o sócio (o top da carreira), eram pessoas extremamente simpáticas, simples no jeito de ser e humildades em “declamar” seus status, realmente, estas sim gostam do que fazem, e transmitiram os verdadeiros valores pelos quais eu me apaixonei pela KPMG. Apesar de tudo eu cometi um erro imperdoável, fiquei extremamente infeliz durante os dias seguintes que aguardava o resultado, eu fiquei me autochingando, me recriminando por ter feito o que fiz. Bom, sabe aquelas frases-feitas que a gente vai adquirindo pela vida e que nos ajudam nas conversas, pois é, uma dessas frases-feitas eu soltei sem querer pra pessoa errada e na hora errada. Ao sair no finalzinho da entrevista e depois de ter cumprimentado os recrutadores eu esqueci de entregar uma bendita foto 3X4 que era pra ser entregue no começo, ao cruzar a porta de saída eu rapidamente me lembrei do fato e virei perguntando ao entrevistador-sócio (bem o sócio!!!que ódio,rs) que estava a poucos metros de mim na porta da sala da entrevista se eu poderia entregar a foto que havia esquecido de deixar no começo da entrevista. Até aí ok. Mas, ele consentindo pra eu deixar a foto com ele, ao entregá-la ele disse: obrigado, e eu (o burro cujo inconsciente não percebeu que era o SÓCIO) disse: imagina, obrigado você, mas e falei VOCÊ com sílabas tônicas pronunciadas de maneira bem claras e abertas, obrigado VVVOOOCCCÊÊÊ. Se teve dia em que eu queria me matar, foi este, sem dúvida,rs, quanto remorso que tive no elevador naquele dia, foi de doer, afinal, passei explicitamente a impressão de que não trataria os meus futuros chefes com o devido respeito, mas bem ou mal, passou, e graças a Deus, dias depois soube que eu também PASSEI!!! SÓ QUE PRA TRAINEE DA KPMG 2012!!! BOM, ESPERO TER AJUDADO COM AS DICAS QUE FORAM DADAS CONFORME FUI CONTANDO A HISTÓRIA, DESCULPA AÍ OS MUITOS DETALHES, NÃO SABERIA AJUDÁ-LO COM POUCAS PALAVRAS, QUANDO VOCÊ SE TORNAR TRAINEE, COMPARTILHE TAMBÉM AS SUAS EXPERIÊNCIAS, É TÃO BOM E PROMOVE UM ALÍVIO E UMA SEGURANÇA TÃO GRANDE PRA QUEM PASSA POR ESSES PROCESSOS SELETIVOS QUE VOCÊ COM CERTEZA ME COMPREENDE, SEJA GENEROSO E DEUS O SERÁ POR VOCÊ, EU NÃO PENSO QUE SEJA ASSIM, EU SEI QUE É ASSIM E VOCÊ TAMBÉM AGORA SABE. VALEU!!!

    • Margareth Almeida

      Com certeza, trocar esse tipo de experiência ajuda (e muito!) aqueles que ainda passarão por situações de desafio como essa! Valeu!

    • Olá, Oliver! Muito obrigada pelo depoimento. Tenho certeza de que os leitores do VT se sentirão motivados depois da leitura.

      Abraços e sucesso

  • fernando

    ola cintia,

    muito obrigado por seus posts. minha dúvida vai no mesmo sentido da pergunta feita pela thais. tenho 26 anos, completados em junho último, e após terminada graduação (janeiro 2010) vim para europa e fiz dois mestrados.

    estou voltando ao brasil em duas semanas e penso em participar de seleção para trainees. minha dúvida inicial era se o período de graduação seria um problema. mas pelo que entendi, a triagem seria o momento em que realmente um candidato com meu perfil seria eliminado, correto? neste sentido, caso aprovado posso considerar como um ponto positivo, ou seja, que tenho qualificações que interessam a empresa?

    cordialmente
    fernando

    • Olá, Fernando! Obrigada!

      Não entendi bem a sua pergunta. Você pode se inscrever em qualquer vaga que aceite formação em dez/2009 ou antes (os períodos são sempre dezembro ou julho). A sua idade não é problema nesse caso. Não vale a pena se inscrever em processos com formação a partir de jul/2010 por exemplo.

      Mesmo que você preencha todos os requisitos, pode não ser aprovado na triagem, pois outros fatores são avaliados.

      Se você for aprovado na triagem, é sinal de que você apresenta os requisitos que a empresa deseja, mas o perfil mesmo só é avaliado nas demais etapas, especialmente as presenciais.

      Espero ter esclarecido as suas dúvidas.

      Abraços

  • Thais

    Olá Cintia,

    Estou gostando muito de ler o seu blog. Você transmite muita segurança e tranquilidade. 
    Tenho 24 anos, sou formada em Hotelaria, morei um ano fora e estou fazendo pós de ADM na FGV. Termino ano que vem. Atualmente trabalho em hotel, mas andei pesquisando sobre processos de trainee, pois ainda acredito que seja o melhor caminho para iniciar uma carreira tendo um bom retorno financeiro, ao contrário da minha área. A minha preocupação é a idade. Pela sua experiência, qual é a idade máxima para participar da maioria dos processos de trainee? Gostaria de tentar quando terminar a pós, pois até lá acredito que vou ter mais experiência e autoconfiança para participar dos processos O que você acha? Vou entre 25 e 26 anos.Outra dúvida…..após o processo, você então inicia os treinamentos e depois participa de um projeto na empresa, é isso? Depois se você não tem um bom desempenho, você é mandado embora? Muito obrigada por compartilhar suas experiências e responder à todos com tanto carinho.Grande abraço,Thais

    • Olá, Thais! Muito obrigada mesmo! Dá trabalho, mas gosto de responder às perguntas =)

      Você aparenta ter uma boa formação, acredito que só lhe falte um pouco de confiança mesmo. Aconselho você a começar desde já a participar dos processos seletivos. Mais que a idade, o período de formação costuma ser um requisito ainda mais restrito, com limitação de até 2 anos. E nem sempre as empresas consideram a pós para esse período, muitas vezes é só a graduação mesmo.

      De qualquer forma, não se preocupe tanto com essas restrições. As empresas estão aceitando trainees cada vez mais velhos (até 30 anos) e com períodos de formação cada vez mais longos (até 4, 5 anos). O que eu quero dizer com não perder tempo e se inscrever agora é que você não pode “travar” a sua carreira em função de um programa de trainee.

      Portanto, participe dos processos e mantenha a mente aberta para outras oportunidades que podem ser tão bacanas quanto. Não fique esperando o “momento ideal”. Nós precisamos estar preparados para agarrar uma chance a qualquer hora que ela aparecer.

      Em relação aos programas, nem todos tem projetos, e em muitos os trainees já começam trabalhando, com treinamentos ao longo do programa.

      Quem não tem um bom desempenho é mandado embora de qualquer cargo, até mesmo estágio. Mas, em relação à sua pergunta, é uma questão de prestar muita atenção na descrição do trainee. É diferente ter de sair porque não ficou entre os melhores do grupo, por exemplo.

      Abraços e boa sorte!

  • Juliana Neumann

    Já fui desclassificada em uma dinâmica por ter menos de 23 anos ( na época eu tinha 22) e ficou claro em algumas etapas finais de trainee que por conta da minha idade eles me achavam nova pra assumir uma situação de gerência. Sempre corri muito atrás dos meus objetivos e por conta do meu esforço e dedicação consegui me formar com 21 anos e já entrar em uma pós graduação a procura de melhores oportunidades de emprego. Por isso as vezes acho injusto realmente a desclassificação por idade. A sua maturidade independe da idade que você tem, já vi muitos marmanjos por aí com seus 30 anos não saberem assumir responsabilidades quando lhe são confiadas.

    • Pois é, Juliana. Como eu falei no texto, podem considerar tanto que você é velho ou novo demais para assumir determinada posição.

      Só que o próprio fato de você chegar a etapas finais dos programas mostra que a sua idade e maturidade demonstrada estavam adequadas ao perfil das vaga. O que pode ter ocorrido é que, na hora de tomar uma decisão, esse pode ter sido um fator que o gestor pesou.

      Continue tentando que em breve você irá conseguir a oportunidade ideal para você.

      Abraços

  • Tenho participado de muitas dinâmicas e sempre vejo este contraste galera experiente com 26 anos e aqueles que ainda tao no terceiro ano da facul com 20 anos, fico me perguntando se o fato da pessoa jah ter 26 anos numa dinâmica como a da ernst young que tem como projeto contratar jovens talentos para formar sócios, se a pessoa que jah esta com 26 anos jah naoe staria teoricamente eliminada, pois existem gerentes com esta idade atuando lá.

    • Olá, Julie! Esse contraste de idade fica ainda maior nas empresas de auditoria e consultoria (Big4), pois elas não possuem um programa de trainee no sentido que costumamos aplicar no Brasil, uma vez que os trainees dessas empresas não precisam estar formados (podem até estar na metade da faculdade). Em outros programas de trainee a diferença de idade costuma ser menor.

      De qualquer forma, quando a empresa decide impor um limite de idade, ela o faz já na etapa de triagem. Se você chegou a ser chamada para testes e dinâmicas, isso significa que esse não é um fator que está sendo levado em consideração.

      Portanto, não se intimide com esses “jovens”. Mostre o que toda a sua “experiência” já agregou para você e boa sorte nos processos!

      Abraços

    • Celina

      A Ernst Young é a empresa mais preconceituosa de todas. São um bando de vampiros em busca de sangue novo, se passou dos 25 já não presta mais.